Infelizmente, os dados sobre a #Violência doméstica não são nada satisfatórios. Segundo uma pesquisa feita pela Datafolha, uma em cada três mulheres sofre algum tipo de violência. Não é novidade que quase sempre esta violência vem dos próprios namorados ou maridos. Mesmo com toda uma disseminação de conteúdo que tenta reeducar e desconstruir certas opiniões, e, até mesmo, acabar com a cultura machista que tanto é vista ainda no país, ainda não há muito que comemorar.

No ano de 2016, um número alarmante de mulheres foi vítima de agressões físicas. Foram 503 mulheres por hora no país. A pesquisa foi encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança e mostra que, apesar de tudo, ainda persiste a violência contra a #Mulher no Brasil.

Publicidade
Publicidade

As informações divulgadas mostram que cerca de 22% das mulheres sofreram violência verbal no último ano. Essa porcentagem dá um número equivalente a 12 milhões de mulheres. Não bastassem a violência verbal em um índice tão alto, ainda 10% sofreram ameaças de serem violentadas fisicamente, 8% foram abusadas sexualmente e 4% foram ameaçadas com armas, sendo arma branca ou de fogo.

Os índices não melhoraram

Os números ainda continuam a chocar: 1,4 milhão foram espancadas e 1% já levou, no mínimo, um tiro. Além da divulgação sobre os tipos de violência, a pesquisa também informou os percentuais sobre as atitudes tomadas pelas mulheres: 52% delas se calaram depois de violentadas, poucos 11% procuraram uma Delegacia da Mulher para dar queixa e 13% optaram por procurar ajuda da família.

O pior de tudo é que em maior parte o agressor é conhecido.

Publicidade

Quando não é um familiar que convive diariamente com a vítima, 61% das agressões são de pessoas conhecidas, sendo que 19% são os próprios companheiros e 16% são ex-companheiros.

Quanto mais graves são as agressões sofridas, mais elas acontecem dentro das próprias residências das mulheres, 43% dos casos. O levantamento também mostrou que 40% já sofreram algum tipo de assédio, seja dentro de casa, nas ruas, no trabalho, nas universidades. Hoje, as mulheres não conseguem frequentar absolutamente nenhum lugar e se sentem totalmente seguras.

Até mesmo nas igrejas são vítimas de algum homem que se acha no direito de constranger e coagir. Mais de 66% da população brasileira já presenciou alguma mulher sendo agredida no ano passado, e um número alarmante de pessoas acredita que a violência doméstica aumentou nos últimos anos, 73%.

Veja outros dados nessa arte:

#Estupro