Publicidade
Publicidade

Um #Crime está mexendo com a pequena cidade de Bom Jesus do Itabapoana, na Região Noroeste do Rio de Janeiro. Por lá, uma menina de 13 anos foi estuprada por 14 estudantes em uma sala de aula. Os estupros teriam ocorrido pelo menos cinco vezes e, segundo os tutores da menina, ela não contou sobre o crime antes porque teve medo. Nesta segunda-feira (24), quatro dos quatorze acusados foram apreendidos pela polícia. Eles deram depoimentos à polícia e chocaram com o que fizeram.

Namorado de menina que sofreu estupro coletivo em escola do Rio de Janeiro também é acusado do crime

O crime aconteceu no Colégio Estadual Padre Mello.

Publicidade

Os 14 jovens acusados pelo crime já foram ouvidos. Todos negam que tenha existido estupro e informam que a vítima teria consentido o ato sexual com várias pessoas. Nos depoimentos, uma suspeita apareceu, a de que o namorado da vítima também teria participado da ação. A polícia também enviou um mandado para apreendê-lo, mas, segundo informações do G1, o jovem, que não teve o nome identificado, não foi encontrado.

'Pensei que era só com ele', diz estuprada ao revelar que não queria sexo com outros alunos da escola

Em entrevista ao 'Fantástico', da TV Globo, a jovem contou que ela estava com seu namorado e ele estava insistindo para que a garota fosse na quadra para que os dois tivessem relações sexuais. A menina conta que topou ter o encontro apenas com o rapaz, mas que quando chegou à quadra ela teve que ficar também com outros 13 garotos.

Publicidade

A menina disse que queria parar de estudar, mas que a família não vai deixar. Por isso, ela quer mudar de escola agora.

Diretor de escola é afastado após estupro coletivo no Rio de Janeiro

Outra denúncia grave envolvida no caso se refere ao diretor da escola. Segundo testemunhas, ele saberia de tudo o que ocorreu. Algumas denúncias foram feitas à escola, mas o diretor não teria feito nada em relação ao caso. A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro informou que decidiu por afastar o diretor da escola após a denúncia. A Polícia também investiga as denúncias de que ele não teria procurado as autoridades. O diretor também pode acabar virando parte do inquérito de estupro.

Um ano depois, menina estuprada por mais de 30 diz que não tem vida

Outro caso que chocou o Brasil foi um estupro contra uma adolescente em 2016. A garota, que afirma ter sido molestada por mais de 30, deu uma recente entrevista a Roberto Cabrini. Sem poder mostrar o rosto, a vítima diz que, mesmo mudando de cidade, sua vida acabou. #Investigação Criminal