As farmácias brasileiras começarão a vender kits de testes para HIV nesta semana. Esta é a primeira vez que um produto estará disponível em farmácias locais. O kit será vendido por cerca de 60 a 70 reais. No entanto, por enquanto, o teste só está disponível no estado do Rio de Janeiro. Outros estados, como São Paulo e Espírito Santo, receberão o produto até o final do mês. O resultado do teste de HIV em casa leva 20 minutos. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou a Ação em maio. O teste detecta a presença de anticorpos que combatem o vírus HIV de gotas de sangue.

O pacote inclui o dispositivo de teste, um reagente líquido, uma lanceta para perfurar o dedo, um sachê de álcool e um tubo para coletar sangue.

Publicidade
Publicidade

O consumidor fica sabendo do resultado de 15 a 20 minutos. Embora tenha uma precisão de 99,9%, o teste só detecta o HIV após 30 dias de contato com o vírus.

Uma epidemia sob controle

Segundo o Ministério da #Saúde, cerca de 827 mil pessoas vivem com HIV no Brasil. As autoridades do país consideram a epidemia da #AIDS estabilizada em 41,1 mil novos casos por ano. Aproximadamente 260 mil pessoas estão conscientes de serem infectadas, mas optaram por não buscar tratamento. As autoridades brasileiras estimam que outros 112 mil não sabem que possuem HIV, pois não apresentam sintomas. Novos dados mostram que as infecções entre os homens cresceram consideravelmente.

Em 2006, para cada mulher infectada, havia 1,2 homem infectado. Agora, essa proporção aumentou para três homens para cada mulher infectada.

Publicidade

Os casos entre as mulheres diminuíram em todas as faixas etárias - especialmente aquelas entre 25 e 29 anos. Em 2005, houve 32 casos por cada 100 mil pessoas, que caíram para 16 até 2015. O contrário acontece entre os homens, no entanto. No grupo masculino, de 20 a 24 anos, a taxa por 100 mil pessoas passou de 16 para 33.

Brasil, um líder na luta contra a AIDS

As Nações Unidas consideram o Brasil como líder mundial na luta contra o HIV, já que o país faz mais do que o que a Organização Mundial de Saúde exige. O sistema público de saúde fornece tratamento independentemente do estágio da doença. Das 827 mil pessoas infectadas com HIV no Brasil, 455 mil estão sob tratamento. Aproximadamente 410 mil possuem carga viral indetectável. Isso não significa que eles não têm a doença. Só que sua carga viral está abaixo do que um teste de laboratório pode detectar. Eles ainda podem desfrutar de uma boa qualidade de vida e têm poucas possibilidades de transmitir o vírus.