Publicidade
Publicidade

Dois suspeitos se deram mal ao tentar assaltar um policial que trabalhava em #UBER, na madrugada desse domingo (6), em São Vicente, no litoral de São Paulo.

Dois suspeitos pediram um carro da Uber por um aplicativo no celular, por volta da 1h. Após entrarem no carro, alguns minutos depois, os suspeitos pediram para o motorista fazer um trajeto diferente, pois os mesmos não estavam se sentindo bem por aquele caminho. Logo de imediato, o motorista achou estranho, pois eles já sabiam o trajeto que iria ser percorrido. Após muitos pedidos, o motorista acabou mudando a rota por uma rua pouco movimentada. Após alguns minutos, os indivíduos anunciaram o assalto, na altura da rua Albérico Robilarde de Marigni, na Vila Mello.

Publicidade

Um dos suspeitos pediu para o motorista encostar o carro próximo a calçada, largar a direção e ir para o banco de trás, para que um dos suspeitos assumisse a direção.

O que os indivíduos não sabiam, era que esse motorista era um policial [VIDEO] militar. O PM encostou o veículo, saiu do carro e efetuou alguns disparos para cima da dupla de assaltantes. Um dos indivíduos foi baleado, já o outro conseguiu fugir.

Com um tiro na barriga, o suspeito implorou para PM o levar para um hospital mais próximo da região, pois tinha família e duas crianças pequenas para cuidar. Após muita insistência, o PM pegou o suspeito que estava baleado, colocou dentro de seu carro e o levou para o hospital municipal São Vicente, para ser atendido pelos médicos de plantão. Após dar entrada no hospital, o assaltante foi identificado como Welington, 19 anos, e passou por uma pequena cirurgia para retirar a bala que estava alojada em sua barriga.

Publicidade

O suspeito já tinha algumas passagens pela #Polícia.

Já no hospital, o policial acionou o 190 e relatou o que tinha acontecido. Em alguns minutos, cinco viaturas policias chegaram e esperaram o assaltante fazer a cirurgia para depois o prender em flagrante. Welington está no Centro de Detenção Provisória, onde aguarda a sua sentença por um juiz responsável.

Em depoimento, o militar disse ao delegado de plantão, Vinícius Carlos, que estava trabalhando no aplicativo Uber para complementar a sua renda, já que o seu salário não estava dando conta para suprir todas as necessidades de sua família.

A polícia civil segue firme nas investigações para tentar localizar o comparsa de Welington. O policial também disse que irá deixar a Uber, pois não aguentava mais ser vítima de assaltos.