Com 263 votos a favor do relatório do deputado federal, Paulo Abi-Akel (PSDB/MG), da Comissão de Constituição Justiça e Cidadania (CCJ), 227 contrários, a maioria dos parlamentares optou por encerrar [VIDEO] no plenário da Câmara a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR), acusando o presidente Michel Temer do crime de corrupção passiva. Do total de 513 deputados, pelo menos 19 estiveram ausentes, alegando motivos de morte na família ou licença médica. Houve ainda 2 abstenções.

Rodrigo Maia encaminhará resultado ao STF no prazo regimental

O resultado desse pleito que deixa o presidente Michel Temer ainda mais fortalecido para promover as reformas que julgar necessárias para a governabilidade do Brasil, foi anunciado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), por volta das 22h50, desta quarta-feira, dia 2 de agosto.

Publicidade
Publicidade

Maia disse, que “a matéria de não investigar o presidente Michel Temer será encaminhada ao Supremo Tribunal Federal no prazo regimental”.

Michel Temer governa o Brasil até o final de 2018

Os deputados governistas que com essa expressiva votação deram o aval ao presidente para permanecer governando o Brasil até o final de 2018, quando ocorrerão novas eleições, possibilitam também a aprovação de #reformas que o governo entende serem necessárias para o País retomar o crescimento, como a da Previdência Social.

Tumulto entre parlamentares interrompeu votação no início

Logo no início da sessão, o presidente da Câmara Rodrigo Maia teve de interromper a votação por alguns minutos, devido a tumulto entre os deputados. Os governistas acreditavam já ter mais que os 172 posicionamentos necessários, favoráveis ao arquivamento da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Publicidade

E os oposicionistas, que precisavam de 342 votos para dar continuidade ao processo unto ao STF, sabiam que tinham de lutar para aumentar o número de #parlamentares com a mesma decisão.

Paulo Maluf arquivou denúncia pelo progresso do Brasil

Para registrar posicionamento contra ou a favor ao relatório, os parlamentares foram chamados nominalmente por Rodrigo Maia. Muitos deles justificaram os seus votos, como por exemplo, o deputado Paulo Maluf (PP), que: “pelo progresso do Brasil e pelas reformas, sim”, ao arquivamento do processo. “ A maioria dos brasileiros crê e tem fé, o único caminho para o Brasil”, enfatizou o deputado Ônyx Lorenzoni (DEM/RS), votando não ao arquivamento.

Delegado Waldir esteve entre deputados ausentes no plenário da Câmara

O deputado Delegado Waldir (PR/GO), que questionou ter sido trocado na Câmara por ter declarado que aprovaria o relatório do também deputado Sérgio Zveiter, propondo prosseguir com a investigação contra Temer, na Comissão de Constituição Justiça e Cidadania da Câmara, esteve entre os ausentes. #encerrar