Após cinco meses desaparecido, Bruno Borges retornou para casa sozinho e está junto a sua família. O pai do “Menino do #Acre”, como ficou conhecido, Athos Borges, deu uma declaração à imprensa: “Nesse momento não vamos comentar muito. Ele já não vai ficar mais em casa, tem muita gente vindo aqui. Ele vai ficar em outro lugar, ele voltou sozinho. Isso é tudo que podemos falar”.

A mãe falou que ele pediu perdão e que estava muito abalado, não parava de chorar. O motivo do desaparecimento ainda não foi revelado. A família comentou que o jovem estava em isolamento e que o único pedido, após o seu #retorno, é que não tenha mais comentários sobre o caso.

Publicidade
Publicidade

A polícia irá esperar o momento de reencontro entre os familiares e depois tomar o depoimento do rapaz para esclarecer o que correu e quais foram os motivos para o sumiço. O caso tinha sido encerrado por não apresentar evidências de sequestro ou violência, mas será reaberto apenas para finalizar com os motivos do ocorrido.

Dos livros que Bruno deixou criptografados, um foi lançado, Teoria de Absorção de Conhecimentos (TAC), que ficou entre os 20 mais vendidos no Brasil. A editora Renata de Carvalho, responsável pelas publicações, espera conversar com Bruno para que a ajude na divulgação e garante que dentre 60 a 90 dias o próximo livro, Caminho para a Verdade Absoluta, estará publicado.

Entenda o Caso

O jovem de 25 anos Bruno Borges desapareceu sem deixar rastros no dia 27 de março [VIDEO], deixando um quarto cheio de escritas, 14 livros criptografados escritos à mão e uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600).

Publicidade

Morador de Rio Branco, no Acre, o estudante de psicologia não deixou nenhum bilhete nem avisou amigos ou familiares de sua partida. O quarto ficou trancado por aproximadamente 20 dias, tempo em que Bruno retirou toda a mobília e transcreveu partes de seus livros pelas pareces, teto e chão.

Ele ainda pediu emprestado dinheiro para encomenda a produção da estátua e colocá-la no meio do quarto. A polícia sempre trabalhou com a hipótese que o isolamento era voluntário e uma jogada de marketing para promover os livros. Os policiais acabaram detendo um amigo de Bruno para prestar esclarecimentos, pois tinha-se indícios que o tinha ajudado e possuía informações sobre o caso, mas logo o liberaram sem obter nenhuma informação nova.

Agora, aguarda-se mais informações para esclarecer o caso e saber quais foram as reais intenções do jovem, que causou comoção nacional. #menino do acre