Na manhã do último domingo, (20), um crime um tanto incomum aconteceu na cidade de #uberaba, no Triangulo Mineiro. Mateus Henrique da Silva, de 23 anos, ao sair para uma caminha matinal, foi vítima de estupro.

O jovem usou sua conta na rede social Facebook para fazer o desabafo [VIDEO] e disse que mesmo envergonhado e sem nenhum orgulho de contar tal história, ele faria isso na intenção de ajudar a conscientizar a sociedade que estupro existe sim e que, embora a maioria das vítimas seja mulheres, ninguém estaria livre de passar por tal situação.

Mateus relata que foi abordado por um homem que parou uma caminhote ao seu lado enquanto ele fazia sua caminhada, e que este sujeito lhe apontou uma arma, o obrigando subir no veiculo.

Publicidade
Publicidade

Com ele rendido, o agressor se dirigiu até um matagal e lá começou uma sessão de tortura. Ele foi amordaçado, teve pés e mãos amarradas e foi abusado com paus, pedras e arames.

Ele disse que o homem estaria atrás de uma mulher entre 19 e 25 anos, mas como a única pessoa que encontrou foi Mateus, resolveu atacar assim mesmo. E que ao final de tudo ainda disse ao rapaz que ele teria naquele momento salvado a vida de uma mulher, pois a sua intenção seria a de matá-la depois dos abusos.

De acordo com o boletim policial, Mateus foi encontrado por volta das 12 horas do domingo, as margens de uma rodovia, ferido, amarrado e muito abalado.

Mateus que disse que, após a brutalidade ao qual foi submetido, se deparou com a falta de solidariedade das pessoas, pois ele disse que durante o tempo em que gritava desesperadamente por socorro, com medo de que o agressor pudesse voltar, mais de 20 pessoas passaram por ele, alguns inclusive riram de sua situação e ninguém fez nada.

Publicidade

Até que finalmente um mototaxista resolveu parar e chamar a polícia [VIDEO], mas após a ligação também foi embora e o deixou ali aguardando pelo carro da PM que levou mais uma meia hora até chegar.

Neste momento ele conta que sentiu o despreparo tanto da #Polícia, quanto da equipe médica diante de tal situação. “Porque você não correu? Você conhecia o agressor? Ele não titubeou em nenhum momento para que você pudesse aproveitar? Foram algumas das pérolas que eu ouvi”, conta Mateus sobre as perguntas que foram feitas a ele naquele terrível momento, onde tudo que ele queria era sair dali.

Mas no final Mateus diz que apesar da vergonha de que contar algo assim, se surpreendeu quando as pessoas começaram a apoiá-lo, encorajá-lo e até parabenizá-lo, pois mesmo num momento tão delicado, ele estaria sendo solidário com tantas outras vitimas desse crime bárbaro, expondo seu caso e abrindo um importante debate na sociedade.

O caso foi registrado pela Polícia Militar e até agora não haveria nenhuma pista do criminoso.

Veja o relato completo de Mateus:

#Facebook