Publicidade
Publicidade

Uma mulher de 43 anos, Telma Adriana Galhardo, foi morta com três tiros, na noite deste domingo (10), pelo seu esposo Walter Wilians Moreno, de 44 anos, que também se matou [VIDEO]após praticar o #homicídio. O crime aconteceu na cidade de Suzano, que fica localizada na região metropolitana de São Paulo.

O mais #trágico e triste deste crime, é que a única testemunha presente no local e que presenciou toda a cena do crime, é a filha do casal de apenas 8 anos de idade.

Segundo informações da Policia Civil que investiga o caso, a menina contou que, após uma briga, sua mãe resolveu ir tomar banho, e que por volta das 20h30, o pai colocou um revolver pequeno através da janela do banheiro e disparou um tiro contra a cabeça da mulher.

Publicidade

Em seguida, com a mãe já desfalecida e caída no chão, o pai entrou no banheiro com um revolver grande e disparou mais 2 tiros nas costas da mulher. Após cometer o homicídio, Moreno se enforcou com uma corda, no quintal da residência.

As armas foram encontradas no local do crime e apreendidas pela #Polícia, que informou que o revólver pequeno trata-se de uma arma calibre 38 e o revolver grande uma pistola 12.

A filha do casal de apenas 8 anos, fugiu assustada e foi acolhida primeiramente pelos vizinhos, e posteriormente pela família que chegou ao local.

Os policiais que atenderam a ocorrência informaram que os vizinhos acionaram a polícia após ouvirem barulhos semelhantes a disparos de arma de fogo no interior da residência. E que ouviram mais um tiro quando chegaram ao local e apertaram a campainha.

Publicidade

Como ninguém atendeu, decidiram adentrar na casa, onde viram a mulher caída no chão do banheiro e o homem enforcado no quintal.

Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil para investigar o caso, mas segundo as primeiras investigações, o crime teria sido motivado pela separação do casal, que estava em processo de separação judicial por não se entenderem mais e pelas brigas serem recorrentes. Ainda em meio a decisão da separação judicial, o casal não conseguia entrar em um acordo com relação à divisão dos bens.

Na casa do casal, havia uma piscina, bem como uma grande área de lazer e muitas joias. A briga de domingo que resultou no crime, teria tido início após uma conversa sobre a divisão desses bens. Pessoas próximas a Moreno, afirmaram que ele sofria de depressão e que frequentemente consumia álcool, juntamente com a medicação para tratar da doença.

O caso foi registrado na Polícia Civil como feminicídio.