Publicidade
Publicidade

Já se passaram quatro anos desde que os parentes e amigos de Marcelo Pessegini de tentam provar que ele é realmente inocente. Agora, eles estão articulando um meio para levar o caso a CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos) da OEA (Organização dos Estados Americanos). Os parentes de Marcelo têm em seu poder um laudo dos Estados Unidos que aponta ter ocorrido algum tipo de manipulação no vídeo. Eles acreditam que essa manipulação foi feita para poder culpar o adolescente pela chacina de sua própria família.

O caso foi arquivado e o objetivo deles é conseguir a reabertura do processo, para que assim se possa investigar se existe outros suspeitos por esse crime bárbaro.

Publicidade

A #Polícia Civil usou essas imagens para chegar a conclusão de que o adolescente de 13 anos matou sua avó materna, sua tia-avó, seu pai e as mãe. O pai e a mãe do garoto eram policiais militares e o crime [VIDEO]ocorreu na casa onde eles residiam em Vila Brasilândia, Zona Norte de São Paulo.

O "G1” publicou um artigo revelando que teve acesso a um documento que revelava o sumiço de frames das filmagens que mostram o adolescente saindo do carro de sua mãe e, em seguida, caminhando para a escola. De acordo com a publicação, além da ausência de alguns quadros, existe também a repetição de outros. Estranhamente o relógio da câmera de segurança deixou de funcionar por algum tempo e depois voltou a funcionar normalmente.

A advogada dos avós paternos de Marcelo que fez o pedido para que um perito particular norte-americano analisasse as imagens e fizesse um relatório.

Publicidade

O adolescente era conhecido como ‘Marcelinho’ e seus avós não acreditam que ele seria capaz de matar sua própria família e depois suicidar.

No bairro onde eles moravam, os vizinhos disseram que existe o boato de que policiais militares poderiam estar por trás da execução dessa família.

Arquivamento do Processo

Para os investigadores do caso, Marcelinho se matou logo após ter executado seus pais, avó e tia-avó. Como ele tirou sua própria vida, ninguém mais foi responsabilizado pelo crime e o caso foi encerrado.

Laudo Psiquiátrico

De acordo com o laudo psiquiátrico, o garoto sofria de uma doença mental. Marcelo tinha encefalopatia hipóxica (falta de oxigenação no cérebro) e isso fez com que ele desenvolvesse um delírio encapsulado (ideias delirantes). De acordo com o laudo, sua doença mental era agravada pela influência de games violentos.

Provas

A DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa) esclareceu que tem em seu poder laudos da balísticas que comprovam que foi realmente o adolescente que cometeu essa chacina e depois suicidou.

Porém, a advogada Roselle Soglio discorda da conclusão do DHPP.

Comissão Interamericana

A advogada dos avós, amigos [VIDEO] e parentes não medem esforços e estão fazendo tudo o que podem para que a Comissão Interamericana analise o laudo elaborado pelo perito norte-americano. #investigação #Caso de polícia