A organização do desfile de 7 de setembro, que será iniciado a partir das 9h desta quinta-feira na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, optou por barrar a entrada de pessoas carregando bandeiras com mastros, assim como placas e cartazes. O evento celebra os 195 da independência do Brasil e é organizado pelo Planalto e seus ministérios.

Segundo informado pelo portal UOL, a organização do evento utilizou a visibilidade como justificativa para a medida, mas acredita-se que a intenção é também a de barrar manifestações políticas durante o desfile cívico-militar do #Dia da Independência. A medida também foi realizada no ano passado.

Publicidade
Publicidade

Por outro lado, a organização informou que irá distribuir 15 mil bandeiras brasileiras para o público presente no local.

Como lembrado pela reportagem, o desfile de #7 de setembro angariou algumas manifestações contrárias a Temer no desfile do ano passado, em 2016. Na ocasião, o presidente foi vaiado e chamado de “golpista” por parte dos presentes. No ano anterior, a então presidente Dilma Rousseff também recebeu manifestações contrárias a seu governo.

Assim como em 2016, Temer dispensou o desfile em carro aberto com a faixa presidencial neste ano. O presidente assistirá ao evento ao lado de seus ministros e aliados no camarote presidencial.

Neste ano, a Esplanada dos Ministérios abrigará também a 23a edição do “Grito dos Excluídos”, evento realizado por movimentos sociais e ativistas pautado em causas sociais.

Publicidade

A concentração para a manifestação será realizada ao lado do Museu Nacional da República, no lado oposto de onde será realizado o desfile cívico-militar. O tema deste ano é “Por direitos e democracia, a luta é todo dia”. #Feriado