Publicidade
Publicidade

A performance La Bête, exibida na abertura do 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu da Arte Moderna (#MAM), em São Paulo, causou polêmica nas redes sociais depois que passou a circular um vídeo em que uma #menina de aparentemente 4 anos interage com um #Homem nu no centro de um tablado.

O vídeo [VIDEO] não será publicado nesta reportagem em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Nas imagens que circulam no Facebook, Twitter e WhatsApp, o artista Wagner Schwartz aparece deitado de barriga para cima, com a genitália à mostra.

A menina de 4 anos [VIDEO], que estava acompanhada da mãe, toca nos pés e na canela de Schwartz.

Publicidade

A performance faz referência a um dos Bichos de Lygia Clark, esculturas e alumínio com várias dobradiças que podem ser manipuladas pelo público.

Nota de esclarecimento

A repercussão negativa fez o MAM divulgar uma nota de esclarecimento via Facebook. Em um dos trechos, o museu explica que a criança estava acompanhada da mãe. Por conta disso, o MAM foi bastante criticado.

Críticas

“Que cinismo cretino. O museu soltar uma nota contraditória endossando o abuso, pois ‘o responsável da criança estava presente’ ao mesmo tempo em que alega que exposições assim são pra público restrito (adulto), confirmando a inadequação do ambiente para uma criança. Fetichistas doentes”, criticou um internauta.

“‘Criança acompanhada da mãe’. Bacana essa definição, já pensou se a Justiça partisse desta premissa.

Publicidade

Vamos lá com algumas novas ‘definições’ que poderiam surgir: ‘Criança, violentada pelo fulano de tal, é atendida, o caso já foi resolvido, pois a criança estava acompanhada de sua mãe', o fulano foi dispensado’. ‘Criança sofre violência física, porém neste caso a mãe está próxima, logo o caso já foi resolvido’. Essa modernidade, essa modernidade”, comentou outro internauta.

Para alguns internautas, a performance é uma aprovação da pedofilia. “Aprovam a pedofilia na cara de pau ainda, não faz colocação classificativa de idade, que canalhas. Para vocês é normal uma criança tocar num cara pelado?”, perguntou uma internauta, indignada com a situação.

“Segundo o Museu de Arte Moderna de São Paulo, a menina de 4 anos apalpando um homem nu, com sua genitália exposta na cara da criança, foi apenas uma ‘deturpação do contexto’. Foi a nossa mente cheia de ódio e preconceito que viu algum mal em uma cena tão infantil. O MAM ainda informa que o tarado nu estava em uma sala fechada e que a menina estava acompanhada de sua mãe. Como se isso não deixasse a coisa ainda mais suja. Eles querem nos fazer de trouxas”, criticou outra internauta.