Publicidade
Publicidade

Com os grandes avanços da tecnologia e as novidades em aplicativos, tem sido difícil ficar longe no telefone celular. A praticidade e o entretenimento promovidos pelo aparelho chamam muito a atenção das pessoas, principalmente jovens e adolescentes.

O que preocupa a muitos é o fato de que o grande apego ao objeto possa se tornar um vício prejudicial à vida social, o que não é incomum atualmente. Há usuários de smartphones que chegam a dormir com o aparelho em cima da cama, como foi o caso de Frederico Luiz, um estudante de medicina de 22 anos. O rapaz, morador de Palmas (TO), sofreu um acidente com o celular depois de deixá-lo debaixo de seu travesseiro na hora de dormir.

Publicidade

O jovem relatou o caso e disse que acordou com o grande barulho provocado pela explosão. "Só vi o clarão e ouvi o barulho", disse. Ainda segundo relatos do estudante, após o estouro do aparelho, o #colchão onde ele dormia começou a pegar fogo. Ele contou ainda que a explosão foi tão intensa que acabou deixando a bateria do smartphone afundada no colchão.

A explosão acordou os irmãos de Frederico, que acharam que o barulho fosse de tiros. Felizmente, o travesseiro não permitiu que o fogo atingisse a cabeça do rapaz, que sofreu queimaduras apenas nos braços e ombros. O jovem foi levado rapidamente até um hospital particular. O caso deixou até mesmo o médico assustado devido ao fato de ser incomum aparelhos explodirem com facilidade. "Ele chegou com lesões e disse que o celular estava carregando no momento do acidente.

Publicidade

Se fosse uma pessoa mais velha ou com problemas no coração poderia ter sido pior", disse o doutor.

O site de notícias da Globo procurou os #Bombeiros que atenderam ao chamado da família de Frederico para coletar informações sobre o acontecimento. A tenente Ollyana Manzi disse que se o fogo tivesse se alastrado mais pelo colchão, provavelmente teria ficado sem controle e atingido a casa inteira. Ela disse ainda que aparelhos como esse devem ser portados perto do corpo desligados, por causa da alta temperatura que eles podem alcançar. O celular do estudante, que não teve marca revelada, ficou destruído.

Frederico disse ainda que seu aparelho celular estava carregando na hora do acidente e que o tinha deixado em cima da cama, para que pudesse ouvir o alarme do despertador do aparelho. O rapaz, que teve queimaduras de terceiro grau, está se recuperando e não corre risco de vida, apesar do susto. #explosao