Publicidade
Publicidade

Recentemente teve uma #Exposição com um #Homem nu, cumprindo uma performance, no #MAM (Museu de Artes Modernas), na cidade de São Paulo, e a mesma levantou muitos questionamentos sobre o que seria considerado arte ou não, pois a questão foi levantada exatamente pelo fato de que o projeto foi financiado pela Lei Rouanet, através da qual os coordenadores e organizadores da exposição são autorizados a captar uma quantia de uma empresa que, por consequência, será isenta dos impostos no mesmo valor investido.

A grande polêmica que se criou sobre a exposição foi o fato de um vídeo ter explodido na Internet de uma criança com 5 anos de idade tocando o corpo do homem sem qualquer vestimenta, e isso acabou criando um grande burburinho e dividindo muitas opiniões, mas as posições contrárias à exposição foram tantas que causaram uma pressão e a Justiça teve que tomar uma posição.

Publicidade

Posição do ministro

O Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, é o grande protetor dos projetos artísticos feitos no Brasil, mas em uma conversa com a bancada evangélica [VIDEO] assumiu que o projeto possa ter desrespeitado as regras do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), pois lá diz que as artes devem ter restrições de idades, e mesmo com a exposição tendo um aviso aos pais, deve sofrer um processo judicial.

O guardião da cultura fez questão de ressaltar que ter dito que a exposição fere o ECA foi uma opinião pessoal, não institucional, e o mesmo afirmou que não deixaria seus filhos irem à exposição do homem nu no MAM, relembrando que apoia a classificação indicativa para que os pais possam decidir se querem ou não levar os seus filhos.

Decisão da Justiça

Após a bancada evangélica ter pressionado por uma resposta do Ministro da Cultura, a Justiça deve aceitar um possível processo dos deputados contra a exposição, e os mesmos exercem uma grande pressão para que o ministério não aceite mais apoiar projetos que ferem a Constituição Federal e o ECA [VIDEO], para que novas polêmicas não sejam criadas e as crianças sejam protegidas.

Publicidade

Divisão de opinião

Diversos artistas saíram em defesa da exposição, defendendo a liberdade de expressão, porém, grande parte da população se revoltou contra e alguns movimentos, como o MBL (Movimento Brasil Livre), encharcaram as redes sociais de críticas aos organizadores do eventos, exatamente pelo fato da criança ter tocado o corpo do homem nu, fazendo com que muitos classificassem o ato como "pedofilia legalizada".