Publicidade
Publicidade

Pouca gente sabe, mas o #Goleiro Bruno tem uma nova chance no #Futebol. No entanto, a oportunidade não é com um contrato em algum time profissional, como aconteceu no início do ano, ao fechar contrato com o Boa Esporte, time que disputa a segunda divisão do Brasileirão. Dessa vez, o condenado ao assassinato e ocultação do cadáver de Eliza Samudio tem a chance de dar aulas de futebol para crianças e adolescentes em uma entidade de assistência social.

A decisão foi tomada ainda em agosto pela 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha, onde Bruno cumpre a pena. Para isso acontecer, no entanto, o goleiro continuará frequentando a prisão.

Publicidade

O acusado será levado da prisão para a entidade Núcleo de Capacitação para Paz (Nucap), que recebe cerca de 60 crianças e adolescentes, que são filhos de detentos ou ex-detentos. Mesmo dando aulas, Bruno não terá nenhum contato com funcionários da ONG. A cada três meses, a entidade formulará um relatório, onde irá mostrar o comportamento do goleiro. Com isso, a justiça mineira avaliará se reduz ou não a pena do acusado.

Além de utilizar as aulas como forma de reduzir a pena, Bruno tenta o julgamento de recurso para ficar livre novamente. No início do ano, o goleiro recebeu habeas corpus para ficar em liberdade. No entanto, por pressão popular, a o Supremo Tribunal Federal ordenou que o goleiro voltasse para a pressão.

Na última semana, Bruno teve a sua pena reduzida de 22 anos para 20 anos [VIDEO], sendo que já cumpriu três anos.

Publicidade

A defesa do goleiro acredita que em breve o jogador pode passar para o regime semiaberto.

Relembre caso de Bruno com o Boa Esporte

Dificilmente o goleiro Bruno voltará para o futebol profissional [VIDEO], a conclusão se deve à experiência do jogador com o Boa Esporte, ainda no início de 2017, quando o acusado recebeu um habeas corpus.

Bruno assinou contrato com o Boa Esporte, de Minas Gerais, no final de março. Inicialmente, o atleta havia fechado um acordo de dois anos com a equipe mineira, com vencimentos de R$ 6 mil na carteira de trabalho. Mesmo assim, a imprensa decretava que o salário do ex-jogador do Flamengo estava na casa dos R$ 30 mil.

Logo que foi contratado, o time mineiro viveu um mês de pânico na administração. O clube perdeu todos os seus patrocinadores, desde material esportivo até investidores que apostavam no crescimento do Boa Esporte.

Bruno acabou voltando para prisão no início de abril e apenas depois da metade do ano o clube mineiro conseguiu dar a volta por cima. Apenas em julho o Boa Esporte acertou com uma nova marca de materiais esportivos, a Embratex.

Após essa experiência vista por todas, o goleiro Bruno deve seguir outro rumo quando deixar a prisão. #Polícia