Publicidade
Publicidade

O Brasil ainda tenta entender o que aconteceu em Janaúba [VIDEO], cidade mineira que fica ao norte do estado. Um vigia colocou fogo em várias crianças e também em seu corpo. O fogo logo se espalhou pela creche, queimando livros, brinquedos e móveis. Mesmo desesperadas, as pessoas tentaram fazer algo para salvar aqueles meninos e meninas. Uma professora não resistiu aos ferimentos e morreu.

Damião Soares da Silva, de 50 anos, é o nome do homem que causou tanto horror, um #crime bárbaro que jamais será esquecido. O sujeito chegou na porta da creche, com uma mochila em suas costas. Na mão, tinha um pote azul. Ele entrou no local, sem despertar suspeitas em ninguém, e disse às crianças: "Eu vou dar picolé para vocês".

Publicidade

Havia mais de 70 crianças na creche e elas já estavam em clima de 'Dia das Crianças', pois a festa foi antecipada devido ao feriado da próxima semana. Ao ouvir que ganhariam picolés, a garotada logo se aproximou do homem, sem saber qual era sua real intenção.

Quando viu que as crianças já estavam bem próximas a ele, Damião jogou álcool [VIDEO]nelas e também em seu corpo. Em seguida, ateou fogo e o desespero tomou conta de todos. A polícia não tem mais dúvidas de que o crime foi premeditado e praticado justamente no aniversário de morte do pai do vigilante.

Na festinha que estava acontecendo na creche, só as crianças mais novinhas não estavam presentes, pois elas encontravam-se no berçário. Muitos funcionários viram tudo e contaram à Polícia Civil detalhes de como aconteceu tamanha crueldade.

Publicidade

O delegado Renato Nunes Henriques, responsável pelo caso, informou que o criminoso tinha uma fábrica de picolé em casa e fazia uso de etanol. Quando misturado à água, o álcool deixa a temperatura mais baixa, ou seja, ele não teve dificuldade para adquirir o produto inflamável, pois já fazia isso regularmente e ninguém jamais suspeitaria que, daquela vez, o álcool seria usado para matar crianças.

A Polícia Civil segue com as investigações e tenta traçar o perfil psicológico do criminoso, que desde 2014 já vinha demonstrando alguns transtornos psicológicos. Naquele ano, Damião chegou a fazer uma denúncia contra sua mãe, dizendo que ela estava colocando veneno em suas refeições, mas era tudo invenção dele. No local de trabalho, o vigia sempre agiu de forma natural, nunca chegou a despertar suspeitas de ninguém.

Por mais que a Polícia Civil esclareça o perfil deste sujeito, esta é uma história que jamais será entendida, pois ninguém consegue compreender como alguém é capaz de tamanha crueldade. #Janaúba