Um auxiliar de pintura de 39 anos foi preso graças a um ato desesperado de sua companheira, na manhã desta sexta-feira, 6. O casal vivia em Sorocaba, uma cidade do interior de São Paulo e por conta da denúncia da professora do filho da vítima, a Polícia Militar chegou até o local do cárcere, segundo o site de notícias UOL.

Tudo começa quando a mãe decide enviar no material escolar da filha de apenas seis anos um bilhete com um pedido de socorro desesperado. A mulher de 39 anos dizia na carta que corria risco de morte e que o assunto era muito sério. O bilhete, que foi reproduzido do site de notícias citado, pode ser visto ao final desta matéria

Mulher envia pedido de socorro em material escolar da filha e professora tem melhor atitude

Num bilhete escrito à mão e datado de 06/10, ou seja, na própria sexta-feira, data que foi enviado no material da filha, ela pediu socorro.

Publicidade
Publicidade

A mãe também indicou o telefone do filho para que ele fosse contactado e um endereço para que ele fosse acompanhado de alguém até o local, pois a situação era muito grave.

Ela chega a dizer que a situação a qual está vivendo é de vida ou morte [VIDEO] 'estou correndo perigo de vida', escreveu a mãe.

Professora aciona a polícia ao invés do filho indicado no bilhete

Segundo a Polícia Civil, a informação do crime foi confirmada. A professora ao invés de ligar para o filho da vítima, ligou para a Polícia Militar do local que compareceu ao local indicado. Na casa, o agressor e a vítima foram encontrados.

O homem negou de pronto o crime, mas como a vítima estava na casa ela foi chamada e ouvida.

Em seu depoimento ela confirmou que vivia sob cárcere privado proporcionado pelo companheiro com quem vivia há seis meses.

Publicidade

Ela ainda confirmou que a situação conjugal dos dois começou a se complicar e piorou no momento em que o companheiro tirou as chaves e o celular da vítima. Sem poder pedir ajuda, ela viveu em situação de cárcere.

'Ele chegou a me estrangular e me ameaçar de morte com uma faca', disse a vítima

Na versão da vítima e constatada visualmente pela polícia, ela não podia conversar com ninguém e começou a apanhar. Em uma das agressões ela chegou a ser estrangulada e em outra ameaçada de morte com uma faca.

Ela contou que tomou a atitude desesperada, pois era o único jeito de contactar alguém fora da casa.

O homem foi preso e levado à delegacia, onde negou toda a acusação. No sábado passará por audiência de custódia, mas será indiciado por violência doméstica e cárcere privado. Como se trata de crime contra a mulher, ele foi enquadrado na Lei Maria da Penha [VIDEO], ou seja, ele será automaticamente indiciamento. O homem não é pai da menina de seis anos e as duas continuarão morando na casa.

Veja o bilhete da mulher.

#LEI MARIA DA PENHA #bilhete de socorro