Publicidade
Publicidade

O garoto de apenas 12 anos que foi encontrado sob o estrado da cama de um presidiário, acusado de estupro no Piauí, teve anuência dos pais para ficar na cadeia. Os pais do garoto foram procurados pelo Conselho Tutelar e tiveram a surpresa quando ouviram dos próprios pais que eles sabiam que o menino ficaria na cela do #Estuprador. Ainda conforme relato dos pais à conselheira Nazaré Castelo Branco, o fato do menino ter dormido ali no local aconteceu porque o próprio filho havia pedido.

Os pais moram um pouco distante do presídio e foram visitar o preso acusado de estupro em Altos, a 38 km do Piauí. Como voltariam a pé, o menino se disse cansado e pediu para ficar ali mesmo na cela, e dormisse com o 'amigo' preso.

Publicidade

O caso aconteceu no último sábado, 30, dia de visitas. O preso está detido na Colônia Agrícola Penal Major César Oliveira, em Altos do Piauí.

Pais confirmam ao Conselho Tutelar que sabiam que filho de 12 havia dormido em cela de estuprador

A conselheira Nazaré confirmou a reportagem do G1 que a família tem situação financeira vulnerável e que foram a pé visitar o amigo na cadeia. Como a caminhada era muito longa, o menino se preferiu descansar ali no local ao invés de ingressar em uma longa caminhada. O menino acabou sendo deixado ali no local e dormindo na cela do amigo, para depois ser buscado no dia seguinte pela mãe. A família concordou com o pedido. No dia seguinte, a mãe do jovem voltaria com as roupas do estuprador lavadas.

Ainda segundo a profissional tutelar, o menino não relatou nenhum abuso [VIDEO] e disse que apenas assistiu um filme.

Publicidade

Delegado não descarta abuso de vulnerável

O delegado do caso, Jarbas Lima [VIDEO], não descartou a hipótese de um abuso ou estupro de vulnerável. O delegado também quer ouvir os pais para tirar suas próprias conclusões. Ouvir o garoto também é importante, pois apesar de um exame de conjunção carnal dar negativo, outra formas de abuso podem não deixar vestígios tão óbvios, que seriam apenas verificados com o depoimento do menino. Os pais, segundo o delegado, também podem responder pelo artigo 232 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente,) que prevê pena para os pais que submetem o vulnerável a situação de constrangimento.

Sejus também investiga como ninguém viu o menino dentro da cela

Uma coisa ficou clara para o Sejus. O controle foi falho na segurança da unidade penal. Se o menino ficou dentro da unidade, qualquer coisa poderia ter entrado no presídio. Outra situações que envolveriam segurança também poderiam fugir ao controle e a Secretaria de Justiça quer esclarecer o quanto o antes o caso e dar uma satisfação para a sociedade [VIDEO]. #garoto no presidio #menino de 12 anos na cela