Publicidade
Publicidade

Um triste acontecimento tem deixado os moradores da cidade de Januária, norte de Minas, desnorteados. Na manhã desta quinta-feira (5), um funcionário incendiou a creche onde trabalhava e deixou pelo menos quatro crianças mortas.

Todos os detalhes do crime ainda serão investigados pela polícia. No exato momento, autoridades locais se unem para prestar apoio às vítimas e aos familiares das crianças. Além das quatro crianças mortas, há informações que outras 15 pessoas ficaram feridas, entre elas crianças e cuidadoras.

Segundo os populares, quem ateou fogo foi o vigilante do local. O fato aconteceu assim que ele chegou para trabalhar.

Publicidade

Ele chamou à atenção de uma funcionária da #Creche ao chegar com um mochila nas costas. Segundo ela, o vigia nunca levava mochila para o trabalho. Assim que entrou no local, começou a jogar álcool nas primeiras pessoas que encontrava pela frente. "Ele tava trabalhando lá, uma menina que trabalha lá contou que ele estava com uma mochila, ela até estranhou, porque ele nunca ia de mochila. De repente, jogou álcool em todo mundo e saiu ateando fogo", afirmou Oliveira, que trabalha de frente à creche.

Oliveira também disse que o desespero em frente ao local é imenso. Ele disse que havia muita gente ferida e pais procurando pelos seus filhos. Ele relatou ainda que, no início do incêndio, não percebeu nada de diferente, pois não houve muita fumaça. Oliveira encerra a entrevista dizendo que populares estão revoltados com o que o segurança fez.

Publicidade

Segurança está internado

Segundo os relatos, assim que o segurança ateou fogo nas crianças, ele jogou álcool em si mesmo e colocou fogo. Mas ele acabou resistindo ao ferimentos e está internado no hospital da cidade.

Pedido de ajuda

O estado da cidade é de caos total. Várias pessoas da região se uniram para ajudar as vítimas do incêndio. Médicos e enfermeiros da cidade foram deslocados até à creche para prestar os primeiros socorros às vítimas.

A assessoria de imprensa da prefeitura da cidade aproveitou para fazer um apelo. Disseram que toda ajuda que chegar será muito bem vinda. E também pediram para que ninguém divulgasse foto dos corpos das vítimas [VIDEO]. Segundo a assessoria, essa é uma maneira de aumentar o sofrimento dos pais que tiveram seus filhos mortos.

Investigações

A polícia da cidade já investiga o que realmente aconteceu. Eles estão em cima dos relatos das pessoas que viram o acontecido. No entanto, eles só podem dar um parecer definitivo após concluídas todas as investigações.

#Minas Gerais