Publicidade
Publicidade

Nos últimos dias, dois casos de mulheres mortas [VIDEO] por ex-companheiros provocaram revolta e chocaram os moradores de São Paulo. Em um deles, a vítima morreu [VIDEO] após ser arrancada do trabalho e agredida, enquanto que no outro, o corpo da vítima foi encontrado em um quarto de motel.

Na última sexta-feira (3), a costureira Marli de Araújo foi agredida pelo ex-companheiro com um soco após ser arrancada à força da oficina onde trabalhava, no bairro Bom Retiro, em São Paulo. A agressão foi presenciada pelo filho e também registrada por câmeras de segurança. Ela chegou a ser socorrida por uma equipe de resgate, mas acabou morrendo no dia seguinte, no hospital, por conta dos ferimentos.

Publicidade

O agressor, Douglas Roberto Silva Santos, de 39 anos, se evadiu do local e está sendo procurado pela #Polícia.

O casal ficou junto por 20 anos, mas há três meses estavam separados. Mesmo já estando com outra mulher, o agressor não aceitava o fim do relacionamento e ainda havia proposto que eles fossem amantes, conforme relataram testemunhas. O filho de Marli presenciou as agressões e contou que o homem segurava um capacete enquanto ele batia na mulher. Ele então entrou em luta corporal com o agressor, que deixou o local em uma moto.

O corpo da costureira foi sepultado no Cemitério da Cachoeirinha, na grande São Paulo, na tarde do último domingo (5).

Outro caso

O outro caso aconteceu nesta segunda-feira (6), na cidade de Cotia, na Grande São Paulo, onde Maria Aparecida da Silva Santo, de 50 anos, foi assassinada pelo ex-companheiro Cléder Gonzaga Ilário.

Publicidade

O homem, que já tinha sido preso em 2008 por roubo, não aceitava o fim do relacionamento de dois anos. Ele está foragido e só foi identificado porque a polícia encontrou seus documentos no local.

Segundo testemunhas, logo pela manhã, por volta das 5h30, Cléder foi até ao restaurante da ex-namorada, em Itapevi, armado e a levou à força para o carro. Meia-hora depois chegaram até o motel, às Margens da Rodovia Raposo Tavares, na cidade vizinha de Cotia. O homem ficou por lá até o meio-dia, quando quis deixar o local sozinho.

Como de praxe, a recepcionista decidiu ligar para a suíte para saber se estava tudo bem, como ninguém atendia, outro funcionário foi até lá. Nesse momento, o acusado deu ré no carro e depois arrancou com o veículo, derrubando o portão e fugiu do local. A vítima foi encontrada na suíte com várias perfurações no corpo e o carro do homem foi achado em uma estrada na Reserva do Morro Grande, a cerca de 20 quilômetros do motel. O veículo estava trancado, mas dentro dele haviam toalhas manchadas de sangue e a chave do quarto.

Segundo o delegado Expedito Alves da Silva Júnior, já existia um registro anterior envolvendo o casal. O caso foi registrado como #Feminicídio. O corpo de Maria Aparecida foi enterrado nesta terça-feira (7), no Cemitério municipal Olavo de Castro, em Itapevi. Ela era mãe de três filhos e tinha sete netos. #Violência doméstica