Publicidade
Publicidade

Faz menos de duas semanas que Kelly Cristina Cadamuro foi brutalmente assassinada após oferecer #carona a um homem através do WhatsApp. O caso aconteceu no ‘Dia dos Mortos’, após a jovem decidir passar o feriado no interior de Minas Gerais ao lado de seu namorado para comemorar o aniversário da mãe dele. A jovem saiu de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, mas não chegou ao seu destino final, depois de oferecer carona a Jonathan Pereira do Prado, criminoso que violentou, roubou e matou Kelly, que teve o seu corpo encontrado no último 2 de novembro. A família da jovem está inconsolada com a morte de Kelly, a radiologista tinha apenas 22 anos.

Publicidade

A morte da jovem ganhou repercussão nacional depois que todos souberam que ela morreu após oferecer carona através de um aplicativo de conversação, algo muito comum atualmente entre pessoas que viajam com o carro livre. Mas depois que os familiares de Kelly tomaram uma decisão sobre o caso, parece que novas pistas poderão surgir.

Jovem ofereceu carona pelo WhatsApp e não sabia que sua vida estava correndo perigo

Kelly esperava custear parte do combustível com o dinheiro que ela receberia pela carona marcada, inicialmente, com um casal. Quando a jovem chegou para pegar os dois para viajar até o interior de Minas Gerais, a mulher que deveria estar esperando por Kelly não apareceu, somente Jonathan aguardava pela radiologista. Como a carona já estava marcada, Kelly acabou aceitando levar só o homem, e não sabia que sua vida corria risco.

Publicidade

Seu namorado, o engenheiro Marcos, de 28 anos, chegou a alertar a jovem pedindo cuidado a ela, mas momentos depois Kelly foi assassinada por Jonathan, que estava disposto a roubar a vítima desde o momento em que ele conversou com ela pelo WhatsApp.

Criminoso negou, mas polícia pode confirmar que Kelly foi violentada por ele

O criminoso também está sendo acusado de violentar a jovem, e mesmo negando que o tenha feito nos dois primeiros depoimentos que Jonathan prestou, o criminoso poderá ser desmentido, após um inquérito concluir se houve conjunção carnal através de um exame feito no corpo de Kelly. O material biológico do corpo da jovem já foi encaminhado para análise.

A jovem foi encontrada com a cabeça submersa em um pequeno córrego e estava sem a sua calça jeans. Poucos dias depois em que o crime aconteceu, as autoridades decidiram encerrar as investigações após a prisão de Jonathan e mais dois envolvidos no caso, mas a família de Kelly não está satisfeita e espera maiores providência sobre o caso [VIDEO] da jovem.

Publicidade

Familiares acreditam que novas informações podem existir através de pistas no celular da jovem assassinada

Os familiares de Kelly acreditam que mais coisas podem ser descobertas e pediram a quebra do sigilo telefônico da jovem, na esperança de descobrirem mais coisas sobre o assassinato. Para eles, falta saber sobre a mulher que tinha marcado carona com Kelly [VIDEO]inicialmente, e, além disso, os familiares da radiologista alegam que no telefone foi registrada uma ligação confidencial recebida, que pode significar alguma coisa sobre a morte de Kelly. #KellyCadamuro #Polícia