Publicidade
Publicidade

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas [VIDEO] após um acidente provocado por um manobrista, na madrugada do último domingo (5), no centro de #São Paulo. Ele admitiu ter ingerido bebida alcoólica durante o horário de trabalho e ficará preso preventivamente por tempo indeterminado e responderá por crime doloso, isso é, com intenção de matar, uma vez que conduzia o veículo alcoolizado.

Segundo informações da #Polícia, Renato Santos Bosco, de 28 anos, que trabalhava como manobrista em um bar da capital paulista, pegou uma Range Rover Evoque de um cliente e quando se dirigia ao estacionamento, por volta da 1 hora, bateu em um Chevrolet Ônix, que fazia serviço de Uber, causando a morte do jornalista Thyago Gadelha Chaves, de 36 anos.

Publicidade

Outras duas pessoas ficaram feridas, uma delas em estado grave. A colisão ocorreu no cruzamento das ruas Conselheiro Nebias e Dos Gusmões.

Para as autoridades, o manobrista admitiu ter bebido duas latas de cerveja durante o período de trabalho e de ter ingressado na Rua Nébias a cerca de 80 quilômetros por hora, o dobro do que o permitido naquela via. Ele foi submetido ao teste do bafômetro que acusou o consumo de bebida alcoólica, mas a polícia não revelou a dosagem.

O motorista do Uber e outros dois passageiros, além do próprio causador do acidente, foram levados para hospitais da região. O caso que inspira mais cuidados é o de Leila Cavalcante, de 34 anos, que está na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital das Clínicas

“Ele passou por aqui a uns 100 por hora ou mais aqui, ele deve ter passado”, disse o gerente de um hotel, que testemunhou o acidente.

Publicidade

Ele contou ainda que a Range pegou no meio do Ônix, o jogando 30 ou 40 metros para frente. As autoridades ainda estão apurando se outras três pessoas que estavam junto com Renato no luxuoso veículo também podem ser responsabilizadas. O caso será investigado pelo 3º Distrito Policial (DP), de Santa Ifigênia.

O Bar Brahma, estabelecimento no qual Renato prestava serviço, informou que o serviço de vallet do bar é prestado por uma empresa terceirizada e lamentou o ocorrido e se solidariza com os familiares. Já a empresa White Service, para a qual o manobrista trabalhava, também se solidarizou e prometeu arcar com todas as responsabilidades legais. Ainda de acordo com a empresa, Renato nunca teve problemas na empresa e sempre desempenhou um bom comportamento.

O corpo do jornalista Thyago Gadelha Chaves foi enterrado em Belém, no Pará. #acidentes