Publicidade
Publicidade

Alanna Ludmilla Borges Pereira estava desaparecida desde a quarta-feira (1º) e o desfecho do caso não poderia ser mais brutal e desumano. A menina ficou dois dias desaparecida, e seu corpo acabou sendo encontrado por vizinhos da família. A situação é tão chocante que ao ser encontrado o corpo, a situação demonstrou o sofrimento e barbárie que a pequena menina sofreu. O corpo foi achado no próprio quintal da casa da família, em Paço do Lumiar, em São Luís, no Maranhão.

A descoberta do corpo foi feita pelos vizinhos que estavam ajudando a família que se encontrava desesperada. A menina estava enterrada em uma cova rasa, coberta por entulho de obras e restos de materiais de construção. [VIDEO]

Corpo de Alanna Ludmilla é encontrado com as mãos amarradas para trás e um saco na cabeça

Ao ser encontrado o corpo, parte do crime já se esclarecia.

Publicidade

O assassino não queria que a vítima o reconhecesse e para tanto amarrou suas mãos [VIDEO], possível para facilitar os abusos e a matou asfixiada por um saco plástico em sua cabeça.

Assim que o corpo foi encontrado, a mãe da menina, Jaciane Borges, revelou que estaria suspeitando do ex-padrasto da menina. A Polícia Militar então deflagrou uma operação para prender Robert Oliveira Cerejo, 31, e ao chegar a delegacia logo entregou o #crime bárbaro.

Robert chegou a dizer para a delegada que no dia 1° ele pulou o muro da casa da menina e, com a chave, abriu a porta. Como ele já morou na casa, ele tinha a chave da porta. A pequena estava só em casa e ao vê-lo, gritou.

Assassino confessa crime e diz que estuprou e matou enteada de 10 anos

Como a menina começou a gritar, ele tampou a boca dela, amarrou suas mãos e começou a estuprá-la.

Publicidade

Após os abusos, decidiu matá-la para não ser reconhecido e a asfixiou até a morte. Numa tentativa de ocultar o cadáver, ele fez uma cova rasa no quintal, a enterrou e colocou entulhos por sobre a cova, para disfarçar o crime. A mochila da menina, que mostraria que ela estava na casa, também foi pega por Robert e foi jogada distante dali, em outro bairro, em um terreno baldio.

Robert já era suspeito desde o início, mas da primeira vez que foi ouvido, ele negou ser o autor do crime. Depois de uma análise mais apurada de câmeras de segurança, ele não teve mais como negar.

Robert iria tentar escapar

Robert, antes de ser preso, estava tentando sair do estado e estava sem documentos. Entretanto, o dono da van que fazia o transporte reconheceu o homem e ao passar por uma barreira policial fez sinal a policiais que logo o reconheceram e o conduziram à delegacia [VIDEO]. Como não havia mais alternativas para o homem, ele acabou assumindo ser o criminoso.

Comente. #Pedofilia #Estuprador