Publicidade
Publicidade

O rapaz que acabou confessando que matou a jovem Kelly Cristina Cadamuro, de apenas 22 anos de idade, durante uma carona que foi combinada pelo aplicativo de mensagens #WhatsApp, acabou sendo agredido [VIDEO] por outros presos em uma cela de um presídio de Minas Gerais. De acordo com a Seap, que é responsável pela administração prisional do Estado, a agressão contra o rapaz aconteceu na noite da última sexta-feira (3).

O assassino foi identificado como Jonathan Pereira do Prado, de 33 anos de idade. Ele acabou tendo um corte no supercílio devido às agressões sofridas e foi atendido prontamente pela equipe médica do presídio.

Publicidade

Depois de ser agredido, ele teve que ser colocado em uma cela isolada para que não houvesse mais agressões.

Segundo informações da Seap, foi instaurado um procedimento administrativo para checar as circunstâncias e quem foram os responsáveis pela a agressão ao rapaz. Depois que os agressores forem identificados, eles deverão passar pela Comissão Disciplinar e poderão sofrer algumas sanções. A Seap não soube precisar quantos presos praticaram o ato contra o assassino da jovem mulher.

Jovem desapareceu na noite da última quarta-feira

A mulher trabalhava como radiologista e seu desaparecimento ocorreu na noite da última quarta-feira (1) logo após sair de São José do Rio Preto, tendo como destino Itapagipe. A moça iria ao encontro do seu namorado, que inclusive demonstrou muita preocupação e pediu para que ela tomasse bastante cuidado.

Publicidade

Infelizmente, ela foi encontrada sem vida em um córrego entre a cidade onde mora seu namorado e Frutal. Ela estava sem calça e com a cabeça mergulhada na água. Jhonatan foi preso no mesmo dia do crime.

Namorado da jovem mulher foi ouvido pela polícia

Os policiais seguem com a sua investigação, e o namorado [VIDEO]da vítima foi ouvido. O delegado que apura o caso falou que ele estava com o emocional muito abalado devido à morte de sua namorada. O responsável pelo caso também fez um pedido para que o assassino não fosse transferido de presídio. O delegado pretende fazer toda a reconstituição do crime.

Assassino de Kelly Cristina assume que a matou

Jhonatan acabou confessando o crime durante seu depoimento. Ele disse que bateu na vítima e fez questão de explicar que ela estava sem calça, pois a mesma saiu de suas pernas, no momento em que ele arrastava o corpo de Kelly. Durante o depoimento, ele confessou ter feito o uso do aplicativo WhatsApp para 'bolar' todo o crime. Foi tudo planejado, ele esperou entrar em um trecho sem nenhum movimento, e pediu para que ela parasse o carro, para que ele pudesse urinar, nesse momento, o rapaz começou a desferir socos no rosto da vítima.

Vale a pena ressaltar que o suspeito estava foragido de um presídio já há alguns meses, e responde por cerca de oito crimes. #crime bárbaro #Carona pelo WhatsApp