Publicidade
Publicidade

#Crimes bárbaros envolvendo a morte de mulheres deixam milhares de internautas perplexos diante de tamanha crueldade. Diariamente mais vítimas engrossam as estatísticas e o feminicídio [VIDEO] torna-se um problema que precisa ser discutido em todas as esferas públicas. As mulheres devem deixar de ser vítimas de homens agressivos dispostos a matá-las para satisfazerem o seu prazer e ainda roubar a vítima.

Casos como o de Kelly, que morreu após oferecer carona em um grupo de WhatsApp [VIDEO], deixam muitas pessoas indignadas sobre o quanto a mulher está à mercê de uma sociedade que a violenta todos os dias e sufoca a liberdade delas serem livres.

Publicidade

Uma reviravolta no caso de Kelly mostra que o criminoso fez muito mais do que ele contou, conforme um laudo publicado nesta sexta-feira (10) atesta sobre a morte da radiologista.

Polícia Civil afirma que Jonathan caiu em contradição sobre não ter violentado Kelly

Na verdade laudo preliminar não encontrou no corpo de Kelly indícios de conjunção carnal, mas pelo fato da vítima ter sido encontrada seminua, sem calça jeans e roupas íntimas, já configura como crime de estupro, segundo o delegado Bruno Giovanini, responsável pelo caso. O encerramento do inquérito ocorre dois dias após a reconstituição do crime, quando Jonathan chegou a cair em contradição ao falar sobre a calça da vítima.

Jonathan permanecerá preso até que ele seja julgado pelo crime que cometeu

Por enquanto, o jovem é mantido preso após ser detido em flagrante no mesmo dia em que ele cometeu o crime contra a radiologista que havia oferecido carona através do WhatsApp em seu veículo.

Publicidade

A jovem iria fazer uma viagem para passar o final de semana na casa dos familiares de seu namorado, que aguardava por Kelly no interior de Minas Gerais, mas a jovem não chegou conforme as horas se passavam.

Além de responder pelo abuso, o criminoso deverá ir a julgamento por latrocínio, após ser preso em flagrante

Jonathan responderá pelo latrocínio cometido contra a jovem, que é roubo seguido de morte, pois o veículo de Kelly foi roubado por ele, que teve a ajuda de outros dois homens que receptaram objetos da vítima, momentos depois em que Kelly foi morta. Embora o criminoso tenha afirmado que não houve conjunção carnal entre eles em depoimento, o laudo contesta a fala de Jonathan, que poderá ter sua pena agravada após a descoberta que Kelly também foi estuprada por ele, no caso que ganhou repercussão nacional. #Caso de polícia #crime bárbaro