Uma #Manifestação organizada pela Central Única dos Trabalhadores(CUT) e pela Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), entre outras entidades, acabou ocupando a rodoviária na área central do plano piloto, em Brasília. Essa manifestação foi convocada por centrais sindicais para defender a Petrobras e a Reforma Política e teve início por volta das 17h. O ato recebeu o nome de O Dia Nacional de Luta.

Há desencontros de informações, enquanto os organizadores dizem que 1,5 mil participantes no evento, a Polícia Militar fala que contabilizou apenas 800 participantes. Controvérsias à parte, o Partido dos Trabalhadores (PT) ocupou a rodoviária com bandeiras das centrais sindicais, dando voltas ao seu redor gritando palavras de ordem e defendendo a Presidente Dilma Rousseff, a Petrobras e manifestando sua contrariedade contra a oposição, que segundo eles, querem denegrir a imagem da presidente e do seu partido (PT).

Publicidade
Publicidade

O integrante da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Paulo Vinícios, falou que a manifestação é em defesa da democracia, do Brasil, da Petrobras e de todos os trabalhadores brasileiros. Paulo destaca também que defende a permanência da presidente eleita pelo voto popular e que vão tratar da melhor forma possível, através do diálogo com a presidente, em nome de todos os trabalhadores.

Eles escolheram para a manifestação um horário em que a rodoviária estava lotada de passageiros, entre  os quais, havia os que apoiavam o movimento, enquanto outros criticavam o governo de Dilma e principalmente a corrupção na Petrobras. Houve manifestações contrárias, mas bastante discretas e não houve nenhum registro de confusão durante os atos.

De um lado, os manifestantes convocados pelas centrais sindicais preparavam sua manifestação para as 17h, na rodoviária, enquanto outro grupo se formava em protesto, organizado pelas redes sociais, que saiu pela Esplanada dos Ministérios, com faixas e cartazes, gritando também, palavras de ordem pedindo o impeachment de Dilma Rousseff.

Publicidade

A organizadora do ato contra Dilma, Cláudia Castro, desabafa que os brasileiros já não aguentam mais a situação do jeito que está e que essa manifestação é apenas para chamar a atenção para um protesto que está marcado para esse domingo (15). E destaca também que não fazem parte de nenhum partido político ou sindicato, e que a finalidade desses atos é por que eles só querem que o país seja assumido por alguém que tenha capacidade para fazê-lo.