#Dilma Rousseff está passando por um dos piores momentos de sua carreira política, mas ela garantiu em recente entrevista à edição do jornal ‘Folha de São Paulo’, nesta terça-feira (7), que não "pretende cair".

Sem saída por causa das revelações bombásticas que vieram à tona sobre a Lava Jato e com a reprovação de 68% dos brasileiros, a presidente repeliu completamente a ideia de renuncia. "Não me sinto culpada por nada, caso contrário me sentiria mal. Não tenho culpa alguma".

Mesmo sentindo-se sob ameaça por causa da crise política, Dilma diz que pretende chegar ao final de seu mandato.

"Eu não cairei! Não Cairei, não cairei.

Publicidade
Publicidade

Isso é moleza, é só uma luta política".

Dilma chamou de ‘um tanto golpista’ setores que fazem oposição ao #PT e querem o impeachment, e disse ainda que não há fatos reais para pedirem seu afastamento. Segundo ela, para se tirar um Presidente da Republica tem que haver explicações plausíveis.

"Estão confundindo os seus desejos com a realidade. Não acredito que haja nada de real".

Para a presidente, o PMDB não é vilão mesmo sendo autor de várias derrotas do #Governo no congresso.

Petrolão

Sobre as recentes revelações da Lava Jato que colocam dúvidas sobre doações à sua campanha de 2014, Dilma sai em defesa própria dizendo que quem tem culpa são os delatores e a instituição. "Não entendo, o meu dinheiro é propina, mas o candidato opositor recebe no mesmo dia igual quantia e o dele não é?", diz, irritada.

Publicidade

"Não tolero esse tipo de prática, quem faz delação está fragilizado".

Segundo informações da revista Veja, Ricardo Pessoa presidente da UTC, informou em sua delação premiada que desviou dinheiro do petrolão para a campanha do PT em 2014. Ele disse que foi convencido com bastante elegância pelo então Ministro Edinho Silva, que responde pela Secretaria de Comunicação.

A presidente também fez comentários em entrevista à Folha, sobre declarações que o ex-presidente Lula teria dado à respeito de os dois estarem em ‘volume morto’. "Ele tem o direito de falar o que quiser, mas eu não me sinto em volume morto".

Diplomaticamente, ela preferiu não criticar Lula. "As críticas deixo para ele".