Na tarde desta terça-feira (08), foi presa em Brasília (DF) parte de uma quadrilha que manipulava e vendia o composto fosfoetanolamina sintética, fabricada pela USP e doada aos pacientes com liminares judiciais.

A Policia Civil conseguiu prender a quadrilha, que mantinha um laboratório de fabricação na cidade de Conchal, no interior do estado de São Paulo. A quadrilha, que contava com um escritório em Sobradinho (DF), era formada por duas famílias e um químico, que é funcionário da USP. A polícia desconfia que o mesmo pode ter furtado a fórmula no laboratório da universidade.

Segundo a Policia Civil, até o momento foram presos dois homens, um em São Paulo e o outro em Sobradinho.

Publicidade
Publicidade

Estão foragidas as esposas dos mesmos e o filho de um deles. A polícia está apurando se o químico seguiu a fórmula correta, ou se usou outros componentes na manipulação.

O Deputado Estadual por São Paulo, Ricardo Madalena, iniciou há um mês, junto com o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania, uma verdadeira 'cruzada' para desbaratar a comercialização da falsa fostoetanolamina sintética, que vem sendo vendida pelas redes sociais. "A medida é urgente, visto que a falsa substância pode trazer danos à saúde de pacientes de boa fé, que estão sendo enganados. A verdadeira fostoetanolamina sintética desenvolvida por pesquisadores da USP de São Carlos não pode ser comprada", alerta Ricardo.

Ricardo Madalena, junto com outros parlamentares da Casa, lutam pela liberação das liminares pelo TJSP.

Publicidade

"A diferença da fosfoetanolamina falsa para a verdadeira, é que a verdadeira não se paga nada", afirma o Deputado.

A polícia estima que o faturamento da quadrilha chega perto de R$ 1 milhão por mês, na venda do composto. Pacientes que estão no aguardo da fosfoetanolamina sintética acreditam que, após essa prisão, o Governo possa liberar as liminares mais rápido, evitando que apareça outro golpista na praça.

Pacientes que estavam utilizando a fosfoetanolamina falsa, estão agora preocupados, sem saber o que fazer.   #Crime #Doença #Casos de polícia