Amanhã(13) o Distrito Federal montará uma força tarefa com a participação de 18 mil militares da Forças Armadas e a colaboração de 385 agentes da Vigilância Ambiental, no Distrito Federal e no seu entorno, para o combate ao Aedes aegypti. Esse dia está sendo chamado de o "Dia Nacional de Mobilização para o Combate ao Aedes aegypti". A mobilização vai percorrer casas e fazer recomendações aos moradores ao enfrentamento ao mosquito, conforme foi dito pelo Secretário de Saúde do DF, Fábio Gondin, e as atividades estão previstas para começar as 8h da manhã.

As atividades começarão  com informações aos moradores, para depois por em prática as ações de manejo ambiental com fumacês  lançando larvicida e inseticida, a finalidade é assistir 823 mil casas até o fim do mês de fevereiro.

Publicidade
Publicidade

Esse trabalho será feito em etapas, diz o Tenente-Coronel do Exército, Alexandre  Ribeiro Peixoto,  que é um dos que chefia a ação no DF. A primeira etapa foi feita  com a preparação dos militares dentro dos quarteis; neste sábado(13) ocorrerá a segunda etapa, que é o dia da conscientização. A terceira etapa consiste na retirada dos focos e a quarta acontecerá nas escolas, com uma discussão educacional de combate ao mosquito e será feita pelas Forças Armadas.

Está sendo esperada a compreensão da população para receber os militares em suas casas e é destacado também que todos terão total segurança oferecida pelos militares durante as visitas. Sairão em campo 1,1 mil bombeiros  para o combate e a prevenção  da dengue, chikungunya e vírus zika, que tem com transmissor o mosquito Aedes aegypti.

Publicidade

É pedido a população que abram as suas portas e recebam os militares para que os mesmos possam fazer o trabalho de eliminação dos focos. Foi passado também que todos os militares estarão devidamente uniformizados e com seus documentos de identificação, a polícia Militar acompanhará também toda essa ação, palavras do Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros do DF, Hamilton Santos Esteves Junior.

Essa data foi escolhida por ser depois do carnaval, época em que muitas casas permanecem fechadas e se tornam criadouros de larvas do mosquito. e o sábado por ser um dia em que muitos dos moradores estão em suas residências, isso segundo o Subsecretário de Vigilância à Saúde do DF, Tyago Coelho, e ainda informa quais métodos serão tomados se a entrada dos militares forem recusadas.

As medidas serão essas:

Primeiro um alvará judicial, em segundo a lei de infração Sanitária do DF e a terceira é uma medida provisória assinada pela presidente Dilma Rousseff. Essas são os três mecanismos jurídicos que serão usados para a entrada nas residências, palavras do Subsecretário de Vigilância à Saúde do DF, Tyago Coelho. #sistema de saúde