Um dos presos que estava foragido, após participar da fuga no último dia 21, na penitenciária Complexo da Papuda em Brasília, foi morto pela polícia em Brazlândia, a uma distancia de 45 quilômetros da capital Federal, após uma troca de tiros com a PM. Levino Pereira de Brito, era um dos quatro presidiários que não foram capturados. O homem tinha 37 anos e estava preso desde 2012. Ele cumpria pena de 93 anos de prisão.

O fugitivo estava em um carro roubado quando reagiu a uma abordagem, ao fugir foi perseguido pelos policiais, em alta velocidade ao se deparar com uma rua sem saída, perdeu o controle da direção e acabou parando o veículo em cima da calçada.

Publicidade
Publicidade

Não obedecendo as ordens dadas, desceu do carro e abriu fogo contra a PM. Segundo a Divisão da comunicação da Polícia Civil, a corporação revidou, o atingindo na perna esquerda. Brito morreu no local.

O dono do veículo, reconheceu o bandido como autor do roubo. O carro foi roubado em Águas Lindas (GO), circunvizinhança do Distrito Federal. No local, foram apreendidos, uma arma calibre 22 e o carro que estava com a placa adulterada.

A fuga

Com Levino, fugiram mais nove detentos no último dia 21. Os dez presos cumpriam pena em regime fechado na penitenciária, sem direito a saídas em datas comemorativas ou para trabalhar. Após fraudarem  o sistema de segurança, a suspeita é que o grupo tenha serrado os portões das celas,  se encontraram no pátio central e pularam o muro com ajuda de uma "tereza".

Publicidade

O local recebe presos considerados perigosos, que cumprem pena de 20 a 30 anos de cadeia. 

Seis dos dez que fugiram da Papuda  foram capturados no mesmo dia pelas polícias Civil e Militar, após busca com ajuda de helicóptero, se encontravam nas proximidades do Lago Sul, bairro nobre da capital. Três ainda estão foragidos.

Complexo Penitenciário da Papuda

Formado por cinco presídios, o complexo fica na região administrativa de São Sebastião, no Distrito Federal. Está situado as margens da estrada que leva a capital Federal, Brasília. Atualmente se encontra super lotado, com 3,4 mil presidiários. #Justiça #Crime #Casos de polícia