Um absurdo! A publicação foi denunciada por um estudante, que afirma já estar sendo perseguido dentro do campus da UnB (Universidade de Brasília). O aluno da universidade acusou o site de conter uma espécie de 'guia de estupro', um manual incitando ao #Crime de violência sexual contra alunas, chamadas de feministas dentro da UnB.

A polícia já está investigando o caso, e nesse momento querem identificar o autor da cartilha e saber se o mesmo é de fato aluno da universidade. A publicação, amplamente divulgada entre os alunos, estava em uma página pública da internet e pregava a violência como forma de 'cura' para as alunas feministas.

Publicidade
Publicidade

O aluno Pedro Veloso, autor da denúncia, já sofre represália e, movido a vingança, os posts com a temática de estupro contra as alunas passaram a 'ser assinados' como se fossem publicados por ele. A polícia planeja ainda acusar o autor das mensagens por ato de calúnia. O link da postagem que incita à violência contra as alunas da UnB chegou a ser removido, mas o autor conseguiu fazer a republicação e o mesmo segue ativo na web.

A UnB informou em nota que repudia o conteúdo do 'guia de estupro' e afirma que o guia explicitamente visa prática de crimes não apenas sexuais, mas psicológicos e morais contra a mulher, e finalizou afirmando ser inadmissível qualquer apologia à prática de estupro.

O site que mantém as publicações chama-se "Reis do camarote" e o título de um dos seus artigos é 'homens devem fazer uso do estupro para corrigir feministas dentro da Unb'.

Publicidade

O texto afirma que os 'homens' devem se infiltrar em 'festinhas de humanas', pois as mesmas estão cheias de 'maconheiros esquerdistas estudantis'. O alvo declarado do artigo seriam as alunas de humanas: 'passe cantadas agressivas nas gordonas e abuse-as com violência'.

A UnB é uma universidade federal das mais renomadas do país. Uma de suas divisões é responsável pela aplicação de importantes concursos públicos em nível nacional. É esperado que o criminoso seja descoberto e devidamente punido por seus atos. #Casos de polícia