Um bebê recém nascido foi cremado por engano no #Hospital regional de Planaltina no Distrito Federal. O caso aconteceu na última quinta-feira, dia 31, quando a criança, que teria nascido morta, foi levada para ser incinerada pelo funcionário da instituição. A polícia foi chamada para investigar o caso e a direção alega que houve um erro do setor. Medidas deverão ser tomadas para que estes episódios não ocorram mais.

O pai só descobriu o fato quando foi buscar o corpo da criança e já era tarde demais

Segundo levantamentos, a mãe teria dado entrada naquela unidade de saúde no sábado, dia 26. Os exame atestaram que ela estava com 38 semanas de gravidez e mostraram que o bebê estava morto.

Publicidade
Publicidade

Depois de feito os procedimentos, o corpo do recém nascido foi levado para exame de autópsia, na segunda, dia 28, no hospital de Sobradinho e depois, teria retornado para Planaltina no mesmo dia.

Na quinta-feira, o pai descobriu que o corpo do filho havia sido cremado. Ele havia se dirigido ao hospital, com o objetivo de retirar o corpo da criança. Diante da demora em liberar o bebê, o mesmo teve que insistir junto à direção da instituição. Foi a partir deste instante, que ele foi informado do fato.

A Polícia foi comunicada do ocorrido e compareceu ao local para tomar todos os depoimentos. Ela informou que as investigações já foram iniciadas e todos os envolvidos deverão ser chamados para que possam relatar as suas versões sobre o fato. Serão apurados as condutas individuais no episódio e se houve algum tipo de crime, de acordo com o delegado Paulo Henrique de Almeida, responsável pelo caso. 

A direção do hospital manifestou-se sobre o caso e afirmou que, possivelmente, houve uma falha do responsável pelo setor da instituição.

Publicidade

Segundo a direção, o funcionário terceirizado confundiu-se na hora de recolher os corpos para a incineração. Este procedimento é feito habitualmente na presença de um responsável pelo necrotério, entretanto, o funcionário da limpeza estava sozinho no momento em que retirou os corpos no último dia 30 (quarta-feira).

Ainda segundo a diretora Mônica Rocha, será preciso que haja uma melhoria nos protocolos de #Trabalho, para que falhas como a atual não possam ser mais suscetíveis de acontecer novamente. #Casos de polícia