O Brasil vivencia o caos político, econômico e social. A capital federal, Brasília, tornou-se o olho do furacão e tem a denominação “#Impeachment”. O Congresso Nacional, na Praça dos Três Poderes, demonstrou nas últimas semanas o tamanho do poder que tem sobre o rumo político do Brasil: dia 17 de abril a Câmara dos Deputados aprovou o prosseguimento do processo de impedimento da presidente da República, Dilma Rousseff, e na manhã de 12 de maio foi a vez do Senado Federal aprovar a admissibilidade das investigações, depois de mais de 20 horas de sessão extraordinária.

Com a aprovação pelas duas Casas Legislativas, a presidente #Dilma Rousseff foi afastada do poder por até 180 dias e tem o cargo máximo do Executivo assumido pelo seu vice, Michel Temer.

Publicidade
Publicidade

Próximos capítulos da novela “impeachment”

Embora previsto por lei, a duração de até 180 dias para que seja concluído a segunda fase do processe de impedimento, o presidente da Comissão Especial do Impeachment (CEI) do Senado Federal, senador Raimundo Lira (PMDB-PB), informou que o processo será célere e durará menos que os 6 meses previstos.

Para tanto, a Câmara dos Deputados e o Senado Federal manterão os trabalhos durante as férias de julho para que não haja atrasos nas investigações direcionadas nessa segunda fase pela Presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski.

“Comissão Especial Processante”

A próxima reunião está marcada para às 16h do dia 24 de maio, terça-feira, que ocorrerá no STF com o ministro Lewandowski, conforme informado pelo senador Lira.

Publicidade

Com isso, os trabalhos dirigidos – mesmo que não presencialmente – por Lewandowski e desenvolvidos no Senado Federal serão efetuados pela chamada “Comissão Especial Processante”.

O rito segue os pormenores do rito de impeachment de 1992.

Os amantes da democracia ou os saudosistas da época da ditadura militar, as donas de casa ou os torcedores do Fla X Flu, ou ainda os juristas e cientistas políticos pós-graduados nas redes sociais, é crescente o número de brasileiros que travam discussões e polarizam cada vez mais uma sociedade perdida em meio “a nossa pátria mãe tão distraída sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações”, como já dizia Chico. #Crise no Brasil