Com a publicação da medida provisória, #Michel Temer reduziu o número de pastas ministeriais e extinguiu a CGU (Controladoria Geral da União), órgão responsável pelo combate à corrupção no funcionalismo público. O órgão foi criado em 2001, ainda durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Para substituir a CGU, foi criado o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, chefiado por Fabiano Silveira, que antes atuava como conselheiro do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

A confirmação dos nomes que ocuparão o primeiro escalão do governo mostra que a Lei da Ficha Limpa" não é uma prioridade, a começar pelo próprio chefe do Executivo.

Publicidade
Publicidade

O partido de Temer, de acordo com pesquisa do TSE em 2015, é o segundo mais corrupto do país, ficando atrás somente do PSDB.

Temer foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, em segunda instância, por ter feito doações de valores em dinheiro para campanhas, em 2014, acima do limite legal - fato que, por si só, torna o político "ficha suja" e inelegível pelo período de 8 anos. Ele foi ainda citado por Delcídio do Amaral, delator na Operação Lava Jato, em março, porém, Rodrigo Janot não pediu a abertura de inquérito para investigação ao Supremo Tribunal Federal - estranhamente, Janot o fez para Lula, Dilma e Gleisi Hoffmann imediatamente à menção de seus nomes, por motivos menores.

Vale lembrar ainda que Temer já foi citado anteriormente por outros colaboradores. Segundo Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, "Eduardo Cunha cobrou Leo Pinheiro (dono da construtora da OAS) por ter pago, de uma vez, para Michel Temer a quantia de 5 milhões de reais, tendo adiado os compromissos com a 'turma'.".

Publicidade

 

Entre os ministros indicados por Temer, há também investigados pela Lava Jato, que passam agora a ter foro privilegiado. O senador Romero Jucá já estava sendo investigado pelo STF por ter seu nome ligado à Lava Jato e à Operação Zelotes. A suspeita, além de desvio de dinheiro da Petrobras, é de corrupção passiva e formação de quadrilha.

Jucá e outros membros do PMDB foram indicados por Delcídio do Amaral ainda por terem cometido desvios nas obras da Hidrelétrica de Belo Monte e novas investigações contra eles foram solicitadas por Rodrigo Janot. É Jucá que assume a chefia do Ministério do Planejamento neste governo.

Na equipe figuram também nomes constantes da planilha apreendida da Odebrecht, em que a Polícia Federal acredita constar pagamentos irregulares: José Serra (PSDB), que assume o Ministério das Relações Exteriores; Bruno Araújo (PSDB), das Cidades; Raul Jungmann (PPS), na Defesa; e Ricardo Barros (PP), na Saúde. 

Os reais impactos das transformações deste governo provisório apenas poderão ser avaliados com o tempo, mas para quem está atento à atuação do agora presidente interino, é possível afirmar que tais medidas não visam apenas à economia dos gastos.

Publicidade

As escolhas de Temer estão focadas no conservadorismo, com uma equipe conhecida pela reputação de combate às lutas sociais. 

Entre os interesses do atual presidente estão o incentivo às parcerias público-privadas, o que agrada a empresários e investidores. No entanto, não foram descartados aumento das taxas de juros e a volta da CPMF.

A garantia da manutenção de programas sociais, por sua vez, não significa que as regras dos mesmos não poderão ser mudadas - isso pode envolver mudança dos critérios e até mesmo corte nos valores dos benefícios ou no número de beneficiados. Outro temor da população é referente a uma reforma previdenciária.

A extinção do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos deve ser observada com especial atenção, pois a visibilidade dessas causas sairá bastante prejudicada, uma vez que passam a integrar a pasta de Justiça e Cidadania, chefiada por um advogado contrário à concessão de direitos às minorias - alguns deles conquistados a duras penas e que podem se tornar negligenciados. #Impeachment #Crise-de-governo