Um hacker conseguiu invadir o aparelho #Celular de Marcela Temer esposa de Michel Temer e se apoderou de todos os dados pessoais da moça. O chantagista utilizou das informações para tentar extorquir valores da vítima em troca da devolução do conteúdo.

#Michel Temer assumiu a presidência da república após a confirmação oficial do afastamento da presidente Dilma Rousseff, que permanece fora das atribuições presidenciais até o prazo máximo de 180 dias, para julgamento final do processo de ‘Impeachment’, no Senado Federal.

A primeira dama foi vítima de um crime muito aplicado entre o meio dos famosos e de autoridades públicas no país.

Publicidade
Publicidade

O golpe consiste na invasão do aparelho celular, o qual é feito um ‘backup’ (cópia fiel de todos os dados do telefone), com o propósito de extorsão.

A sua realização se dá através de ‘hackes’, ou seja, aqueles que possuem conhecimentos elevados em informática e utilizam dessas especialidades para obter vantagens financeiras. Foi justamente o que aconteceu com a primeira dama.

Entenda como ocorreu

Marcela recebeu um primeiro telefonema, no qual foi exigida certa quantia, não revelada, a moça resolveu pagar para se ver livre de incômodos futuros, mas o que ela pensou que estaria resolvido foi somente munição para a nova chantagem que exigia o valor de R$ 15.000,00.

A atual primeira dama se sentiu desconfortada, pois os arquivos invadidos tinham fotos da época quando se tornou miss em sua cidade no interior paulista, documentos, além da sua agenda particular.

Publicidade

Muito recatada e preocupada em não atrapalhar a imagem do esposo, ou talvez acreditasse em alguém que estivesse falando a verdade sobre a entrega dos dados do celular, Marcela cedeu ao primeiro pagamento.

Como Marcela não conseguiu rever seus pertences, as chantagens foram parar nas mãos do futuro Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que, naquela semana ainda pertencia à Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Moraes é amigo particular de Temer e logo se prontificou em colocar o um ‘ponto final’ na perpetração do crime. Mal sabia o hacker com quem estava mexendo.

Foi instaurado o inquérito aproximadamente há um mês, após o Secretário tomar ciência dos criminosos que imediatamente reformulou toda a equipe, por policiais de sua confiança para assumir o restante das investigações. A responsabilidade ficou a cargo do Delegado Rodolpho Chiarelli que, automaticamente, decretou sigilo absoluto das diligências.

Desde então, os policiais ficaram acompanhando as negociações o que facilitou a descoberta do suspeito. Na quarta-feira (11), os investigadores montaram um cerco para capturar o acusado. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) informou o sucesso da operação e a efetivação da prisão de Silvonei José de Jesus Souza, o hacker acusado de chantagear Marcela Temer.

  #Governo