A imprensa internacional tem acompanhado com grande atenção todas as mudanças políticas que permearam o Brasil durante as últimas semanas. Com um contingente maior de jornalistas estrangeiros no país, para a cobertura das Olimpíadas, os países os aproveitaram para apurar os fatos mais importantes do que tem acontecido em Brasília.

Sabe-se que a instabilidade da política e economia brasileira mexe com o mercado financeiro externo, e, por isso, todas as atenções estão voltadas para o Brasil. Desde a votação do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados e no Senado, ao seu afastamento e substituição por #Michel Temer, a imprensa estrangeira tem feito uma cobertura baseada nos fatos.

Publicidade
Publicidade

Mas isso mudou com os primeiros dias do mandato de Temer, quando os veículos de comunicação do exterior passaram a adotar um tom crítico em relação à movimentação política do país. O WikiLeaks, por exemplo, vazou para a imprensa que Michel Temer teria sido informante do governo dos EUA sobre o Brasil.

O britânico The Economist chamou de "luta difícil" as atribuições de Temer para realizar mudanças que melhorem a economia brasileira, agora que assumiu o cargo de Presidente da República de forma interina. A revista ainda afirma que congresso pode atrapalhar as decisões de Temer por não estarem interessados em cortar gastos nem aumentar impostos.

O canadense The Globe and Mail mencionou que sete dos 24 ministros anunciados por Michel Temer em sua posse são acusados ou investigados pela Operação Lava Jato.

Publicidade

O britânico The Guardian criticou o ministério formado apenas por pessoas brancas, assumindo como estranha a decisão para um país tão miscigenado como o Brasil.

O New York Times destacou em suas páginas internacionais o interesse de Michel Temer em entregar o Ministério da Ciência e Tecnologia para um religioso, cuja crença é oposta às leis da ciência e revelou ainda que o presidente interino é o primeiro presidente depois de anos a não colocar mulheres nos ministérios.

Por fim, a Time mencionou que Temer foi citado em delações premiadas nas investigações dos casos de corrupção da Petrobras, mas não foi acusado nos autos da lei.

A imprensa estrangeira também tem mencionado uma grande preocupação na condução das Olimpíadas Rio 20,16 com essas mudanças políticas. Jornalistas da Televisão Central da China, da Televisão Pública da Alemanha e da Reuters relataram que a população estrangeira tem se preocupado com as notícias relacionadas ao descaso dos políticos com a segurança do Rio de Janeiro e das capitais turísticas do país, bem como se preocupam com a poluição que tem afetado circunstancialmente o meio ambiente brasileiro. #Crise econômica