Um semblante profundo de abatimento acompanhou o ex-presidente #Lula nesta quinta-feira, dia 12, ao acompanhar a presidente afastada Dilma Rousseff, quando a mesma deixou o Palácio do Planalto.

Lula e mais uma comitiva formada por integrantes do PT e por todos os ministros do governo de Dilma, postaram-se à frente da saída principal, ao lado da rampa, para esperar a saída da presidente e sua condução até o Palácio da Alvorada, sede de sua morada provisória pelos próximos 180 dias. 

No dia anterior, Dilma havia planejado descer a rampa com seu antecessor. Lula preferiu não executar o ato e aconselhou a sua sucessora a sair pela porta principal do Planalto.

Publicidade
Publicidade

Não queria que tal ato pudesse transparecer uma derrota para o partido. Aliás, era tudo o que ele não queria demonstrar naquele momento.

Mesmo diante do discurso, bastante aplaudido de Dilma do lado de fora, Lula mal respondeu às inúmeras manifestações de populares que gritavam o seu nome. O estilo combativo e agressivo deu lugar ao homem de olhar distante, que mal acompanhava as palmas, dando a impressão de que não estava ali.

Para as pessoas próximas, o ex-presidente esboçou várias reações nos últimos dias. Foi da raiva e agressividade até o sentimento de tristeza e choro. Nesta quinta-feira, dia 12, parecia apático e sem reação.

Acenou muito pouco para alguns simpatizantes e, rapidamente, cumprimentou alguns colegas seus de partido que o interpelavam. Mesmo assim, quando indagado pelos repórteres, antes de entrar no carro, declarou: "Vou pra casa".

Publicidade

A sua tristeza estava estampada na própria roupa que trajava para a ocasião. O vermelho vivo, cor do seu partido, o PT, deu lugar a um blazer de cor cinza e camisa social azul. Lula não quis demonstrar aos presentes que este dia pudesse transparecer um "fim da linha" para o governo.

Mesmo assim, o petista conseguiu despistar os jornalistas e seguiu direto para um almoço com Dilma no Palácio da Alvorada. Assessores próximos declararam que o resultado era esperado e que não havia a intenção de fazer dos últimos momentos de Dilma, em frente ao Planalto, um grande evento.

Na véspera da votação no Senado, na terça-feira, dia 10, Lula jantou com Dilma no Alvorada. Eles foram acompanhados pelo presidente nacional do partido, Rui Falcão, por Ricardo Berzoini, da Secretaria do Governo e por Jaques Wagner, do gabinete pessoal da presidente. Entretanto, nesta quarta-feira, dia 11, quando a votação do senado foi iniciada, o petista se recusou a acompanhá-la, ao lado de Dilma. #Dilma Rousseff #Impeachment