O líder da Igreja evangélica Vitória em Cristo, pastor Silas Malafaia, não tem medo de expôr seus pensamentos seja lá em qual meio de comunicação for. Polêmico, o religioso vive dividindo opiniões, mas tem um público cativo e é admirado. De acordo com uma pesquisa recém-realizada, Silas é um dos 20 homens mais admirados do país. No todo da lista aparece o empresário e apresentador Silvio Santos. Malafaia está usando o seu Twitter oficial para atacar o fim do #Governo da presidente afastada Dilma Rousseff e para fazer elogios ao presidente em exercício Michel Temer.

Neste sábado, 14, por exemplo, ele comparou petistas - os manifestantes ou de ideologia semelhante ao Partido dos Trabalhadores - com a expressão "esquerdopatas".

Publicidade
Publicidade

Em seguida, o pastor comentou sobre o fim do Ministério da Cultura, que foi agora agregado ao da educação. "A boquinha acabou", manifestou ele sua opinião através da rede social de 140 caracteres. "Não adianta pressionar, a sopa acabou", continuou ele a se manifestar na rede social.

O religioso aproveitou para compartilhar uma polêmica publicação do ator Sandro Rocha, que mandou quem não está feliz com a extinção da pasta ir trabalhar. Conhecido por fazer o Major Rocha no filme 'Tropa de Elite', o ator acusou ainda o extinto Ministério de promover "mamatas", dando benefícios a seis ou sete artistas. Em seguida, ele revelou que chegou a desistir de projetos, pois pessoas exigiam propina para que as coisas forem para a frente. "Já vai tarde", desabafou ele na internet. 

Malafaia aproveitou a nova polêmica para fazer críticas a dois grandes jornais brasileiros, a 'Folha de São Paulo' e o 'Extra', do Rio de Janeiro.

Publicidade

Segundo o pastor, tudo o que ele fala ganha outra conotação nas publicações. Ele ainda citou um suposto vídeo do deputado federal Jean Wyllys do PSOL, no qual o parlamentar incitaria o ódio. De acordo com o religioso, nenhum dos jornais deu espaço para as declarações do deputado. Ele ainda acusou os veículos de comunicação de promover ativismo gay.  #PT #Michel Temer