Mais uma vez, políticos se envolvem em um escândalo em meio às investigações da operação Lava Jato. Dessa vez, os dois ex-governadores José Roberto Arruda e Agnelo Queiroz estariam fortemente envolvidos.

Segundo os ex-executivos de uma empreiteira chamada Andrade Gutierrez, os possíveis corruptos teriam recebido propina durante a construção do tão famoso estádio Mané Garrincha que se localiza em Brasília.  E embora Arruda e Agnelo neguem qualquer acusação, há fortes indícios de que os fatos são verídicos.

Os crimes teriam ocorrido durante o ano de 2014; ano em que aconteceria a Copa do Mundo no Brasil. 

As fontes que divulgaram essas informações foram Clóvis Peixoto Primo e Rogério Nora de Sá, que igualmente antes desse caso, divulgaram também a Rede Globo o provável pagamento de propina ao ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral.

Publicidade
Publicidade

Segundo advogados de defesa de Arruda, os  contratos da construção não teriam sido assinados durante a gestão do ex-governador, descartando qualquer possibilidade de ter havido possíveis repasses de pagamentos de propina em seu mandato.

Já agnelo, afirmou em sua defesa que qualquer doação recebida durante a sua gestão, teria sido dentro do que as leis permitem. Porém, Rogério Nora afirma que os repasses eram feitos pelos ex-executivos da empreiteira, além disso os valores não eram fixados e o político teria pedido dinheiro para o PT.

Além do ex-governadores, os ex-executivos também revelaram outros envolvidos durante a delação premiada; entre eles: Eduardo Braga do PMDB e Omar Aziz do PSD, ambos ex-governadores que atualmente são Senadores estaduais do Amazonas. Segundo os políticos, em sua defesa, alegam que a acusação se trata de uma retaliação da empreiteira Andrade Gutierrez, isso por não terem aceitado aditivos de mais de 1 bilhão para a obra da Arena Amazônia.

Publicidade

Segundo as informações, o valor pago aos políticos do Amazonas teriam sido superiores a R$50 mil, mas além disso, ainda houveram mais revelações detalhadas para que os investigadores continuem a operação.  Enfim, um rombo para os cofres públicos e um roubo a toda a população do país. #Lava Jato #Crise econômica #Casos de polícia