Nesta quinta-feira, dia 12 de maio, o Diário Oficial da União teve uma edição extra em virtude do novo presidente que assumiu o cargo e já fez uma série de mudanças, inclusive nos ministérios. Eleonora Menicucci de Oliveira, secretária de "Políticas para as Mulheres" foi exonerada, assim como o secretário de "Políticas e Promoção da Igualdade Racial", Ronaldo Crispim Sena Barros e também o secretário dos Direitos Humanos, Rogério Sottili.

Na intenção de "enxugar" os gastos do governo, Michel Temer eliminou: Direitos Humanos e Juventude, Igualdade Racial e Mulheres, gerando assim uma revolta por parte daqueles que pensam que agora serão prejudicados e não terão seus direitos respeitados.

Publicidade
Publicidade

Outra questão que gerou polêmica foi o fato do atual presidente escolher apenas homens para os ministérios, e por isto nas redes sociais foi chamado de machista.

Apesar de ser uma surpresa para muitos, o fim destes ministérios não é uma novidade, pois desde o último dia 10 que vem sendo avisado que se o peemedebista chegasse à presidência, tomaria tais atitudes. Assim que Temer anunciou sua equipe ministerial começaram os protestos, e os ativistas de causas sociais e que defendem as minorias fizeram duras críticas ao novo #Governo.

Rosiska Darcy de Oliveira, presidente da "Rio Como Vamos", disse que não estava acreditando que o país retrocedeu quase 30 anos por não ter uma só mulher nos ministérios e também pelo fato do presidente ter acabado com a Secretaria das Mulheres, sendo que esta acabou sendo incorporada ao Ministério da Justiça.

Publicidade

Romero Jucá, presidente do PMDB, tentou amenizar a questão avisando que as mulheres estarão presentes nas secretarias nacionais e que no governo Temer elas estarão sempre presentes.

Dilma, quando assumiu seu mandato pela segunda vez, tinha 39 ministérios, sendo que seis eram comandados por mulheres, sendo elas: Tereza Campello, Kátia Abreu, Izabella Teixeira, Ideli Salvatti, Nilma Lino Gomes e Eleonora Menicucci. E já no final de seu governo, Dilma contava com sete ministras.

A expectativa em relação ao governo de #Michel Temer é grande, mas começar eliminando estes ministérios que vinham defendendo a minoria gerou revolta em milhares de brasileiros.