A atriz e apresentadora Mônica Iozzi passou os últimos meses utilizando as redes sociais para se posicionar contra o processo de impeachment pela qual a presidente agora afastada #Dilma Rousseff passa. Em diversos momentos, ela chegou a criticar veículos de comunicação, inclusive, telejornais da Rede Globo, como o 'Jornal Nacional'. Bastou o presidente em exercício #Michel Temer assumir o governo nesta quinta-feira, 12, para ela se estressar e dizer que não o aceita como líder político do Brasil.

Mônica nega que seja defensora de Dilma, mas fez diversas vezes argumentos que soavam para a defesa da petista. O ataque dessa vez não foi tão bem sucedido quanto a ex-repórter do 'Custe o que Custar' poderia imaginar.

Publicidade
Publicidade

Iozzi adjetivou o atual comandante do país como "golpista", mas acabou se dando mal, bebendo de críticas contra sua pessoa. Agora, é claro, sempre tem o grupo que apoia a artista e esse não é pequeno.

“Uhahahaaaa (risada malígna) !!!! Além de golpista é piadista”, publicou Monica em seu Twitter durante o discurso de Michel Temer feito nesta quinta-feira. O peemedebista chegou a ficar rouco durante a primeira vez em que falou à nação, mas logo recuperou a voz. Diversos internautas então começaram a atacar a apresentadora. F. da Silva questionou se a global seria burra, enquanto outro lembrou que a ex-Custe o que Custar quando votou também escolheu um vice, sabendo que esse poderia assumir a presidência em diversas situações, inclusive, como essa mais radical, como o impeachment. "Essa Iozzi não sabe nada de constituição brasileira", respondeu um seguidor. 

No entanto, Temer poderia assumir caso Dilma renunciasse, saísse por licença médica, morresse e sempre que ela não estivesse no Brasil.

Publicidade

Aliás, Rousseff chegou a sair do país depois que o processo de impeachment já havia sido aprovado pela Câmara. Ela foi ao estado de Nova York, nos Estados Unidos, onde disse que era vítima de um golpe de estado e que poderia pedir sanções ao país, citando organismos econômicos parceiros do Brasil, como a Mercosul e a Unasul. #Monica Iozzi