Mais de quatro mil brasileiros deram início nesta quinta-feira (12), dia da posse do novo presidente do Brasil, Michel Temer, a um movimento curioso. Eles assinaram um abaixo-assinado exigindo que a expressão "Presidente Interino" ou "Temporário" seja utilizada em todos os atos oficiais do presidente em exercício até o fim do julgamento do #Impeachment que afastou Dilma Roussef. A iniciativa de criar o documento foi da advogada Nadine Borges. "Criei este abaixo-assinado para agirmos contra qualquer possibilidade do Sr. #Michel Temer descumprir os preceitos constitucionais", explica Nadine.

"Conforme expresso no artigo 79 da Constituição Federal, o Presidente só será substituído pelo Vice-Presidente no caso de impedimento. O que vivenciamos no Brasil a partir de 12 de maio de 2016 é somente o exercício temporário da presidência de forma interina pelo Vice-Presidente, até o julgamento final do processo", defende.

Publicidade
Publicidade

"Quaisquer atos administrativos do senhor Michel Temer estão sendo realizados pelo Vice no exercício da Presidência da República, e não na condição de Presidente da República", ressalta a advogada. 

O assunto já está rendendo discussões nas redes sociais. A internauta Ana Lúcia Lima discorda da proposta. " Ele é presidente sim, foi tão eleito quanto a Dilma. Tinha a fotinha dele do lado da dela (na máquina de votação)", defende. O estudante Everton Quadros foi além: "Felizmente pessoas com bom senso tiraram essa incompetente antes que ela afundasse o país ainda mais.  Espero que finalmente tenhamos um presidente, por que até agora só tivemos um fantoche do Lula", disparou. 

A meta dos organizadores do movimento é atingir a marca de 5 mil assinaturas no abaixo-assinado. Até as 20h de hoje, já haviam 4700 assinaturas.

Publicidade

O documento também inclui comentários sobre a atual situação política do país. "Ambos deveriam ser impedidos, foram eleitos juntos. E neste mesmo contexto, ambos não tem dignidade para dirigir um país", diz Renan Ferreira em sua assinatura. A narrativa do golpe não foi esquecida: "Não aceito o golpe e vou lutar como puder pra garantir o voto de 54 milhões de brasileiros", desabafa Ivi Bispo.  #Crise-de-governo