Depois da Senadora paulista Marta Suplicy levar um sonoro não da apresentadora e jornalista Marília Gabriela, o presidente em exercício Michel Temer já tem o nome para assumir a Secretaria Nacional de Cultura. A escolha seria a atriz Zezé Motta. Dessa forma, o peemedebista conseguiria diminuir um pouco as críticas contra a falta de diversidade de sua gestão, colocando uma mulher negra para um cargo de grande porte. Lembrando que a chefia da casa civil e presidência do BNDES também foram dadas para mulheres. O mesmo ocorrerá na Secretaria de Comunicação e na de Cidadania. A cotação de Zezé para o cargo de Secretária foi publicada nesta terça-feira, 17, pela coluna 'Gente Boa' do jornal carioca O Globo.

Publicidade
Publicidade

Motta já tem longa história em trabalhos na política. Ela já foi Conselheira de Direitos Humanos durante o #Governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB. Além disso, trabalhou na prefeitura do Rio de Janeiro durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como Superintendente de Igualdade Racial. O convite oficial seria realizado ainda hoje e segundo fontes próximas a atriz, ela tende a aceitar o cargo. Não será a primeira famosa a assumir um cargo de grande importância no governo. Durante a gestão do petista Lula, Gilberto Gil, um dos maiores cantores do país, assumiu a cultura, quando ela ainda era um Ministério.

Avalia-se que a Secretária de Cultura precisa ser um nome com credibilidade, especialmente depois que na quinta-feira,  12, #Michel Temer decidiu extinguir o Ministério e juntá-lo ao da educação.

Publicidade

Após muitas críticas, o peemedebista decidiu fazer com que a pasta virasse uma secretaria. A afirmação de que uma mulher a assumiria veio depois de críticas na internet que diziam que seu governo era o primeiro, desde a ditadura, a não ter mulheres em nenhuma chefia.

Ainda nesta segunda, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio, decidiu abrir uma ação que avaliará a abertura de impeachment contra Temer. No mês passado, ele já havia pedido à uma comissão da Câmara para avaliar a questão.