O Movimento dos Sem Terra (MST) teve que desocupar no último domingo (15), devido a uma ordem judicial, a fazenda do amigo do atual presidente interino do Brasil, Michel Temer. Aproximadamente 800 militantes dos sem terra estavam ocupando a propriedade rural, que fica situado no município de Duartina, no estado de São Paulo.

Segundo inquérito aberto pelo delegado Luís Carlos Amado da Polícia Civil da cidade de Duartina, integrantes do MST depredaram, furtaram bens e abateram gado da fazenda Esmeralda, propriedade rural que está registrada no nome do Coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo, João Baptista Lima Filho, amigo de Temer.

Publicidade
Publicidade

A fazenda, que possui 1,5 mil hectares, havia sido invadida no último dia 9 de maio por integrantes do Movimento Sem Terra.

Segundo militantes do movimento, #Michel Temer possui sociedade oculta com o dono da fazenda, informação que foi negada pelo presidente interino Michel Temer.

Relatório policial acusa militantes do MST de vários crimes

Segundo relatório da Polícia, os militantes sem-terra que invadiram a fazenda no dia 9 furtaram motosserras, câmeras de vigilância e ferramentas. A polícia também denunciou que um trator da propriedade foi danificado, outros veículos que estavam no local também foram depredados, além de cercas estouradas e benfeitorias.

Carcaças de bois também foram encontrados, e, segundo a polícia, seriam para consumo próprio dos militantes. Pichações na sede da fazenda e em outros imóveis também foram relatados pelos policiais.

Publicidade

Líderes do MST negam acusações da Polícia 

Em nota divulgada a imprensa, integrantes do Movimento Sem Terra declararam que não houve depredações na fazenda e que as acusações são falsas.

“Esclarecemos que a invasão foi legítima e pacífica e que não houve nenhum dano ou depredação na fazenda”.

Integrantes do movimento alegaram que pichações caracterizam manifestações e refletem o protesto do MST contra a monocultura do eucalipto na propriedade e não devem ser confundidas com depredação de patrimônio. #Manifestação #Violência