A impopularidade do novo presidente interino brasileiro é igual a da presidente afastada, Dilma Rousseff. Um diferencial entre os dois é que o respaldo internacional que Dilma conta é infinitamente maior que #Michel Temer (PMDB). 

Para provar isso, basta procurar sobre as notícias a respeito da política no Brasil, todos os jornais, em unanimidade classificam o #Impeachment como um golpe. Do El País ao New York Times, em nenhum artigo publicado fora do país, o impeachment fora visto de forma positiva.

Além da mídia, diversos órgãos internacionais já demonstraram grande preocupação com o processo de impeachment, que acabou por afastar Dilma da presidência, por até 180 dias.

Publicidade
Publicidade

O presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), possui grande índice de impopularidade, de acordo com as últimas pesquisas realizadas no país. Segundo o DataFolha, 60% dos brasileiros acreditam que Temer deveria ser afastado.

Presidente da Argentina reconhece Temer como presidente

Um dos únicos a demonstrar interesse em diálogo com o novo presidente do Brasil, foi o presidente da Argentina, Macri. O presidente do país sul-americano disse que respeita a decisão proferida pelo impeachment, e que reconhece a legalidade do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB).

Macri é responsável por colocar em poucos meses, mais de 1,4 milhões de argentinos na pobreza. A política de Macri é completamente diferente da ex-presidente Cristina. Macri aumentou os impostos, diminuiu os empregos e já sofreu manifestações pedindo seu afastamento, de seu recente governo.

Publicidade

Macri é o primeiro a apoiar Michel Temer

A política de direita de Macri não visa agradar a maioria da população, e isso é um ponto em comum entre Temer e Macri. Outro ponto que vem sendo abordado por alguns estudiosos, é que o país enfrenta novamente uma intervenção dos EUA, como a intervenção que originou na ditadura militar, em 1964. Essa operação foi chamada na época de operação Condor e foi bem sucedida em vários países da América do Sul.

Existem muitos palpites para o governo que se inicia com Temer, em todos eles o termo privatização vigora em todas as ações de Temer, que pode privatizar a Petrobrás e entregar o bem mais precioso dos brasileiros nas mãos do capital estrangeiro. #Crise-de-governo