Deltan Dallagnol, procurador da #Lava Jato e coordenador da força-tarefa da operação, afirma que sem reformas políticas não haverá melhorias para o quadro de #Corrupção sistêmica que assola o país. Segundo Dallagnol, a corrupção no país é comparada a uma grande inundação e diz que tiraram com baldes, denúncia por denúncia, para fazer as acusações necessárias. E faz um diagnóstico preocupante das condições da corrupção no Brasil. De acordo com suas declarações, nada mudará se não alterarmos o sistema e as condições da justiça. A operação Lava Jato é considerada a maior investigação de combate à corrupção já vista no país.

Diz ainda que, até hoje, não viu sequer um movimento concreto para se aprovar as leis de endurecimento para banir a corrupção no país e fazer as reformas políticas necessárias. Em sua concepção, não há bandeiras erguidas que caminham no congresso e nas grandes instituições a favor da reforma no sistema judicial, que deveria funcionar e não o contrário como acontece até hoje no país.

Barragem da corrupção

Dallagnol revela que, mesmo após 2 anos de operação Lava Jato, não existem, no meio social, nenhuma bandeira erguida contra a corrupção sistêmica instalada no país há décadas. Deltan compara o combate à corrupção, no país, a uma barragem que tem que ser feita em caso de grandes inundações como a que ocorre no Brasil. O procurador demonstra, publicamente, a sua grande preocupação em relação aos movimentos sociais, pedindo a reforma da justiça e não somente a troca de presidentes para resolver os crimes do colarinho branco.

Favorecimento para a corrupção

Deltan Dallagnol diz que, atualmente, as condições da justiça brasileira favorecem a corrupção. E que continuam trabalhando incessantemente para que seja aprovada a proposta de 10 medidas de combate à corrupção, a partir de dois procuradores da Lava Jato,  que pedem para que se tornem duras as leis que punem os crimes do colarinho branco no país. Deltan termina dizendo que, sem reformas, continuaremos dando murro em ponta de faca e, nesse caso, podemos considerar que a Operação Lava Jato é um ponto fora da curva.