A cúpula do Partido dos Trabalhadores se reuniu, nesta terça-feira (17), pela primeira vez desse  o afastamento de Dilma Rousseff, e o motivo desta reunião foi para divulgar uma resolução, criticando o governo anterior. O #PT informou que o impeachment aconteceu por causa dos erros que foram cometidos por Dilma e também pelo próprio partido, que fez alianças infelizes e optou por um modelo econômico que não deu certo.

A resolução preparada pelo PT afirma que o governo de Dilma Rousseff errou diversas vezes, e que o partido também cometeu equívocos, principalmente quando tinha que delegar tarefas importantes, principalmente aquelas que eram ligadas à reforma política, tributária e também em relação aos meios de comunicação.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o partido, o que Dilma deve fazer agora é se apressar em mostrar ao país que tem um compromisso com todos e que ela tem um plano para seguir, caso volte ao cargo de presidente da República.

Ainda, de acordo com o documento preparado pelos dirigentes do partido, não foi dada a devida atenção aos partidos de esquerda, o que foi um grande erro, já que o PT confiou mais nas alianças de centro para garantir a sustentação dos projetos realizados e os que estavam por vir.

A cúpula do PT foi ainda mais dura com #Dilma Rousseff ao afirmar que, apesar das muitas dificuldades encontradas para dar continuidade aos projetos, a maior de todas foi a própria presidente, Dilma Rousseff, que se tornou um grande obstáculo que precisaria ser removido imediatamente e a qualquer preço.

O documento contou com a participação do próprio presidente do partido, Rui Falcão, e mostra a insatisfação da legenda com a atual situação do partido, que perdeu poder e brilho no cenário político nacional.

Publicidade

Para o PT, o impeachment é um golpe sem base legal, entretanto, se o partido fizer uma autocrítica, encontrará grandes erros ao longo dos últimos anos e, a maioria destes, sem dúvida alguma, são da responsabilidade de Dilma Rousseff, que fez com que a direita fosse se tornando cada vez mais forte. #Crise-de-governo