Há menos de uma semana do no poder, o presidente em exercício Michel Temer já vive com dois fantasmas. Um dele é o da possibilidade de cassação de sua candidatura com a presidente afastada Dilma Rousseff no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O outro é enfrentar um processo de #Impeachment baseado nas mesmas questões enfrentadas pela líder petista na Câmara dos deputados e no Senado. Essa preocupação aumentou nesta terça-feira, 17, cinco dias depois do peemedebista assumir o poder. Isso porque o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, teria liberado que uma ação contra Michel fosse julgada contra Michel. Essa ação solicita justamente que um processo de impeachment contra o marido de Marcela seja aberto. 

Não é a primeira vez que Marco Aurélio dá uma decisão desfavorável ao agora novo presidente.

Publicidade
Publicidade

Em abril, ele já havia solicitado para que a Câmara dos deputados criasse uma comissão especial justamente para analisar o processo de impeachment do novo do PMDB. Quem marcará a data do julgamento dessa ação é o presidente do STF, Ministro Ricardo Lewandowski. Ele não tem um prazo para isso. Diversas outras ações envolvendo políticos estão há mais de um mês na corte e ainda não foram julgadas, como as que envolvem o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva. Lewandowski também ficará atarefado nos próximos dias ao presidir o Senado durante o período de discussão do Impeachment. A presidente Dilma tem até o início de junho para se defender e apresentar provas de que não cometeu os crimes de responsabilidade a que é acusada. 

Quando Marco Aurélio pediu para que a Câmara analisasse o pedido de impeachment de Temer, quem estava na presidência da casa era o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB - Rio de Janeiro).

Publicidade

Na época, Cunha se negou a abrir o documento de impedimento e ameaçou abrir todos os processos contra Dilma, que eram mais pelo menos outros nove até então. Com o afastamento de Eduardo, quem assumiu a Câmara é Valdir Maranhão, que é contra a saída de Dilma do poder.  #Michel Temer