Nas últimas 24 horas, os brasileiros viveram um turbilhão de informações. Acordamos com um novo presidente em exercício, Michel Temer, que substitui Dilma Rousseff após ela ser afastada pelo Senado Federal. Nesta quinta-feira, 12, o peemedebista não só tomou posse, como também fez muitas mudanças, como a extinção de Ministérios criados durante o governo do Partido dos Trabalhadores (PT). Entre eles, pastas importantes foram simplesmente "enxugadas", Mulheres, Igualdade Racial, Direitos Humanos e Juventude e também o da Cultura. Com isso, pastas que defendiam direitos de inclusão da mulher no trabalhos ou que criminalizavam atitudes de homofobia foram excluídas.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Michel, essas questões agora serão tratadas por outras pastas. 

Chamou a atenção de muita gente o fato de nenhum dos novos Ministros ser mulher ou negro. "Isso demonstra o quanto estamos andando para trás", disse um internauta partidário do PT nas redes sociais. Mas há também quem concorde com os cortes. "Muito bem, a medida no novo presidente é importante para o atual momento, especialmente por conta da crise econômica pela qual passa o país", disse outro seguidor, dessa vez, do novo governo. O anúncio do novo Ministério foi feito junto com um pronunciamento para jornalistas e aliados. Neste primeiro discurso, já no poder, Temer falou em unir o país e conciliar o diálogo.

O marido de Marcela Temer, agora Primeira Dama, citou brevemente a afastada Dilma, dizendo que todos precisam tratá-la com respeito, usando um tom bem diferente de Rousseff, que o chamou de "conspirador" e o acusou de querer subir no poder sem o voto popular.

Publicidade

Ele também avisou que vai conversar com empresários e pediu que a palavra crise seja esquecida, lançando o novo lema do governo, 'Ordem e Progresso'. 

Segundo alguns veículos de comunicação, o peemedebista pretende diminuir os recursos de movimentos sociais, especialmente aquele que fecharam vias do país ou tiveram posições mais violentas. Ele foi muito ovacionado pelo grupo de aliados.  #Lula #Impeachment #Michel Temer