O presidente interino Michel Temer fez uma pequena citação à presidente afastada Dilma Rousseff em seu primeiro discurso depois do afastamento da petista, que ocorreu após uma votação no Senado na manhã desta quinta-feira, 12. Ele fez questão que respeitava e que não entraria no mérito no #Impeachment, mas que era importante estabelecer as relações. O peemedebista ainda alfinetou a líder petista, dizendo que sabe dialogar muito bem, e que apesar de ter pouco tempo, esforçaria-se para conseguir fazer as reformas de que o Brasil precisa. Em outra alfinetação, ele disse que os poderes, segundo a constituição brasileira. A citação acabou batendo de frente com a tese do "golpe" tanto entoada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) nos últimos tempos. 

"A partir de agora não podemos falar de crise, vamos falar de trabalho.

Publicidade
Publicidade

Isso cira um clima de harmonia e interesse, otimismo no país", disse o presidente interino Michel Temer, que lembrou qual será o seu lema de governo, "Ordem e Progresso", presente na bandeira nacional. O peemedebista ainda pediu a ajuda de Deus para conseguir vencer todos os desafios. "Um bom Brasil para todos", entoou o líder político, que decidiu fazer uma redução ministerial, reduzindo também os gastos do governo em momentos difíceis para a economia. 

Em seu pronunciamento como presidente interino, Michel Temer, diz que "é urgente unificar o Brasil e fazer um governo de salvação nacional". O presidente fala depois de ter dado posse ao seu corpo ministerial em Brasília. Ele falou ainda que vai manter os programas sociais e aprimorá-los. "Sabemos todos que o Brasil ainda é um país pobre, portanto reafirmo, vamos manter os programas sociais: o bolsa família, o Pronatec, o Fies, o Prouni, o Minha Casa, Minha Vida, são projetos que deram certo e portanto terão sua gestão aprimoradas".

Publicidade

Mas disse que precisará fazer reformas. "Nenhuma dessas reformas alterará os direitos adquiridos pelos brasileiros", concluiu. Em dado momento do discurso, Temer teve uma grande rouquidão, mas foi auxiliado com água, uma pastilha e palmas de seus aliados, que lotaram o salão nobre do Palácio do Planalto. 

Do lado de fora, manifestantes do Partido dos Trabalhadores chegaram a tentar invadir o Palácio do Planalto, mas foram impedidos pela polícia. Não há informação de feridos.  #Lula #Dilma Rousseff