O presidente da República, Michel Temer, convocou todas as centrais sindicais para uma reunião no Palácio do Planalto nesta segunda-feira, dia 16. O encontro, que deverá ser iniciado às 15 horas, é uma convocação a estas entidades para que, todos juntos, possam discutir um dos principais temas do seu #Governo: a reforma na Previdência. Dentre as convidadas, estão a Força Sindical e a UGT. Na última sexta-feira, dia 13, a proposta do atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem sido alvo de muitas críticas por parte de alguns dirigentes sindicais, dentre eles, o Paulinho da Força e atual deputado federal (SD-SP).

A Previdência Social tem sido uma das áreas que tem recebido uma atenção especial por parte do atual governo.

Publicidade
Publicidade

Para isto, a Secretaria da Previdência Social, que antes era subordinada ao Ministério do Trabalho, passa para a coordenação do Ministério da Fazenda. Além disto, desde que assumiu a pasta fazendária, Henrique Meirelles defende a adoção de uma idade mínima para aposentadoria como uma regra de transição.

As críticas das centrais sindicais com relação às propostas de reforma da Previdência do atual governo

Na definição do presidente da Forca Sindical, o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), a proposta da equipe econômica é completamente absurda e inoportuna. Ele disse que condena qualquer tentativa, por parte do governo, em retirar direitos adquiridos dos trabalhadores. Em nota, o dirigente declarou: " A estapafúrdia ideia defendida pelo atual ministro é inaceitável porque prejudica quem ingressa mais cedo no mercado de trabalho, ou seja, a maioria dos trabalhadores brasileiros.

Publicidade

Vale lembrar que o último governo já fez mudanças no regime da Previdência que só resultaram em prejuízos para os trabalhadores". 

A  reunião marcada para esta segunda-feira, dia 16, deverá contar com a participação do ministro Eliseu Padilha, da Casa  Civil e do presidente do Banco central, Henrique Meirelles. 

Neste momento, Temer sinaliza com a disposição de trazer as centrais sindicais para que possam participar das discussões a respeito da reforma. Na ocasião, Temer estará à disposição para ouvir e acatar sugestões e deverá apresentar as suas propostas. Com isto, o governo espera diminuir a resistência das centrais sindicais a futuras alterações no regime previdenciário. #Michel Temer #PrevidenciaSocial